Cesar Greco/ SE Palmeiras
Cesar Greco/ SE Palmeiras

Deyverson sabe que errou e pediu desculpas aos jogadores do Palmeiras, revela Abel Ferreira

Atacante sai do banco de reservas, empata o jogo após cobrança de pênalti e é expulso por reclamação na sequência

Gonçalo Jr, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2022 | 20h42

Em dois minutos no jogo de Bragança Paulista, o atacante Deyverson fez o gol de empate, aos 36 da etapa final, comemorou com uma alegria coreografada, chorou, abraçou os companheiros, fez uma falta para cartão amarelo, reclamou de maneira exagerada com o árbitro Flávio Rodrigues e acabou expulso. No final do jogo, voltou ao gramado para agradecer a torcida. O roteiro se soma às inúmeras polêmicas que o atacante soma em suas duas passagens pelo Palmeiras.

O técnico Abel Ferreira revelou que o atacante pediu desculpas aos jogadores após o empate por 1 a 1. “É um coração bom, mas tem de alterar o comportamento nessas situações porque ficamos os últimos minutos a sofrer de forma desnecessária. Ele sabe que errou. Perante o grupo pediu desculpas. Ele fez o gol, mas teve um comportamento que poderia prejudicar muito a equipe. Quando falta o controle mental é isso. Não posso deixar que minhas emoções me tirem o foco. Com ele, isso acontece com muita frequência. Ele poderia ter nos prejudicado”, avaliou o treinador em entrevista coletiva após a partida.

O autor do gol que valeu a conquista do tricampeonato da Libertadores tem contrato até junho, mas o clube já sinalizou que ele não será renovado. Por isso, Deyverson usou as redes sociais para publicar mensagens em tom de despedida ao longo da semana.

Desde julho de 2017, Deyverson tem 140 jogos, 30 gols, 10 assistências e sete expulsões pelo Palmeiras. Por outro lado, causou a expulsão de três adversários. Nesta segunda passagem, foi o segundo cartão vermelho. Ele já provocou a expulsão de dois adversários.

“Ele já não é miúdo. Regressou porque eu e a estrutura entendemos que ele poderia nos ajudar. Naquela circunstância, não havia muito dinheiro dentro do clube. No jogo, ele fez o papel dele. Cobrou o pênalti. Teve calma mental para fazer o gol, mas não pode ter aquele tipo de comportamento”, avaliou Abel Ferreira.

Mesmo com um jogador a menos, o Palmeiras suportou a pressão do Bragantino, com grande defesa de Lomba nos minutos finais, e até chance de virar o jogo com Gabriel Silva. No final, conseguiu manter a invencibilidade. Na quarta-feira, o time enfrenta o Ituano pelas quartas de final do Campeonato Paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.