Phil Noble/Reuters
Phil Noble/Reuters

Di María ainda pode levar o United ao sucesso, diz Giggs

'É um jogador de qualidade e vamos esperar que ele produza', afirma

Mike Collett, REUTERS

09 Março 2015 | 09h54

Ángel Di María, cujo forma decaiu desde sua transferência do Real Madrid para o Manchester United, ainda pode ter um papel importante na luta do clube inglês por sucesso nesta temporada, de acordo com o assistente técnico Ryan Giggs.

O argentino, de 27 anos, se tornou o jogador mais caro contratado por um clube britânico quando se juntou ao United por US$ 90,3 milhões no último ano, mas, após marcar três vezes em suas primeiras cinco partidas da Liga Inglesa, o jogador não balançou mais as redes desde janeiro.

"Ele é um jogador de qualidade e vamos esperar que ele produza porque agora é jogo importante atrás de jogo importante", disse Giggs, antes de o United jogar contra o atual campeão Arsenal nas quartas de final da Copa da Inglaterra, nesta segunda-feira.

"Jogadores se adaptam a ligas diferentes, algumas vezes rápido e às vezes demora mais um pouco, ele teve um começo muito bom na temporada, mas com jogadores que correm riscos e que ganham jogos, é sempre difícil ser consistente porque eles vão tentar coisas que os outros jogadores não vão fazer", completou Giggs.

Enquanto as coisas em campo não estão indo bem para o argentino, estão piores ainda fora dele. A casa de 4 milhões de libras que estava alugando foi atacada por ladrões em janeiro, que tentaram derrubar a porta enquanto o jogador e sua família estavam comendo. Os ladrões fugiram de mãos vazias após o ativamento do sistema de alarme. Di María e sua família foram para um hotel de luxo após o incidente, com segurança 24 horas, e a casa foi colocada à venda pelo dono na última semana.

O Manchester United, quarto colocado no Campeonato Inglês, encara uma série de partidas difíceis enquanto tenta se classificar para a Liga dos Campeões. Após a partida contra o Arsenal pela Copa, o time joga contra o Totthenham, Liverpool, Aston Villa, Manchester City e Chelsea.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.