Dia "D" para Liedson no Corinthians

Enquanto anunciava seu terceiro reforço em menos de uma semana, André Luís, ex-Paris Saint Germain (por um ano), o Corinthians se movimentava nos bastidores para garantir o retorno de Liedson à equipe. Apesar das três contratações, o clube considera o retorno do atacante como ponto de honra e menospreza a possibilidade de o atleta se transferir para um clube europeu. Enquanto isso, o jogador continua sendo aguardado no Parque São Jorge. Liedson está na Bahia e conversou algumas vezes com a delegação corintiana, que retornou hoje de Salvador. Estranhamente, no entanto, não voltou com o grupo. O pivô do dilema que vem causando a demora na reapresentação de Liedson atende pelo nome de João Alberto Ituarte, presidente-proprietário do pequeno Prudentópolis, do Paraná, dono de 70% dos direitos do jogador (os outros 30% são do Coritiba). O dirigente paranaense acredita que o contrato com o Corinthians deixou de existir no exato momento em que o clube o liberou para o Dinamo de Kiev. Entrou em contato, por conta própria, com vários dirigentes do exterior e deu como prazo final para a entrega das propostas o início da tarde de amanhã. Segundo Ituarte, um grande clube francês, que deve oferecer US$ 2,5 milhões, é o mais cotado para ter Liedson. ?Se o Corinthians cobrir esse valor, fica com ele.? Com ou sem proposta, o vice-presidente de Futebol corintiano, Antonio Roque Citadini, é enfático ao declarar que Liedson fica no Parque São Jorge até o fim do ano. ?Não houve acerto com o Dinamo, logo, ele é nosso?, disse. Citadini afirmou que o Corinthians não vai forçar a reapresentação do atleta. ?A gente não vai fazer nada precipitado, ele ficou abalado e vamos dar o tempo que ele precisar para se sentir bem para voltar?, contou o dirigente. Ituarte ameaça processar o clube paulista caso o atleta se reapresente antes de um acordo com o Prudentópolis. O curioso é que, ao contrário do Corinthians, que tentou convencê-lo a voltar, o dirigente paranaense sequer ligou para o jogador. Pretende definir o futuro de Liedson sem consultá-lo. Prudentópolis ? O clube que detém 70% de um dos principais atacantes do País não tem sede nem campo de futebol e seus dirigentes moram há 200 quilômetros de distância, em Curitiba. No futebol profissional desde 1997, o Prudentópolis está na Primeira Divisão do Paranaense desde 2000, mesmo ano em que Ituarte, empresário do ramo de turismo, arrematou ? em sociedade com Hugo Barros ? o clube do antigo proprietário, Nelson Borácio. Liedson chegou ao Prudentópolis em 2001 indicado por um olheiro, de nome Joaquim, que o viu no Poções (BA). Impressionado com as cifras prometidas e a possibilidade de ser vendido para um grande clube, Liedson se tornou propriedade do Prudentópolis e do Coritiba, time que passou a defender após alguns meses. Um ano depois foi para o Flamengo e desembarcou no Corinthians no início de 2003, assinando contrato que dava carta branca para os dirigentes paranaenses o negociarem.

Agencia Estado,

24 de julho de 2003 | 20h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.