Dia de boatos na Vila por Robinho

Os boatos dominaram a sexta-feira na Vila Belmiro. Durante a manhã, alguns veículos de comunicação anunciaram a venda do seu passe ao Real Madrid por US$ 30 milhões (R$ 72 milhões). Ao meio-dia, os valores mudaram - e a moeda também: o jogador teria sido vendido por 25 milhões (R$ 75 milhões). À noite, a notícia era que o presidente Marcelo Teixeira havia avisado ao jogador que ele não seria negociado.A postura do presidente contribuiu para o tiroteio de informações desencontradas. Seguranças não permitiam que os jornalistas sequer chegassem perto do elevador que leva à sala do dirigente. "O presidente Marcelo não gosta de trabalhar na sexta-feira. Deve estar descansando na sua casa", diziam os seguranças.O impressionante na Vila Belmiro é que se existe a campanha "Fica Robinho", esqueceram de avisar aos torcedores. Uniformizados ou não, ninguém estava preocupado com o destino do atleta. Embora o treinamento tenha sido aberto para a torcida, pouquíssimas pessoas foram ao estádio do Santos. Não havia faixas, nem apelos, nada."Vim aqui ver o time. Nem sei se o Robinho vai ou não vai embora. Ele é bom, mas temos outros aqui. O Pelé foi embora e o Santos não acabou. Os desesperados por ele são os jornalistas", dizia o dono de barraca na praia José Eduardo Souza. "Por mim, ele já vai tarde."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.