Diagnóstico do Turismo avaliará capitais para a Copa de 2014

Ministra Marta Suplicy confirma informação; idéia é estruturar base turística para sediar a competição

Agência Estado,

30 de março de 2008 | 16h04

Os prefeitos das 18 capitais brasileiras que querem sediar a Copa do Mundo de 2014 vão receber, no dia 4 de abril, um diagnóstico que mostra onde as cidades estão preparadas para o evento e o que falta para que possam receber turistas. Os governadores também vão receber o estudo. A informação é da Agência Brasil, com base em entrevista telefônica da ministra do Turismo, Marta Suplicy, que de Xangai, na China.Segundo a ministra, a partir do diagnóstico, as capitais poderão começar seu planejamento, tanto hoteleiro quanto de qualificação das pessoas. "Não é função do ministério construir hotel, mas é função dele dizer que tal cidade, se for escolhida como sede, comporta seis hotéis cinco estrelas, mas dois deles não terão sustentabilidade após o término da Copa. Então, dois terão que ser construídos já como apartamentos, explicou. Apenas dez das 18 cidades candidatas a sediar jogos da Copa serão escolhidas. Situações como essa permitirão que o ministério do Turismo se organize quando procurar investidores estrangeiros", disse Marta. "Quando a gente for vender lá fora, e isso o ministério tem que organizar, for procurar os investidores para esses hotéis, já tem que levar o diagnóstico do que cada cidade precisa e comporta".Para a ministra, o modelo de estruturação do setor hoteleiro no Brasil pode ser inspirado no que a China construiu para equipar as cidades para as Olimpíadas de Pequim, neste ano. "Podemos fazer como os chineses fizeram aqui: a captação foi com investidores estrangeiros, em parceria com empresários chineses. Isso tudo temos que ver com outros ministérios como vai ser feito. Planejar é a palavra-chave", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014FifaMarta Suplicy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.