Bruno Haddad/Cruzeiro
Bruno Haddad/Cruzeiro

Diante de 51 mil, Cruzeiro bate América-MG por 3 a 0 e vai à decisão do Mineiro

Equipe de Mano Menezes já havia superado rival por 3 a 2 no jogo de ida

Redação, Estadão Conteúdo

06 de abril de 2019 | 22h02

Diante de um público de 51.525 torcedores na noite deste sábado, no Mineirão, o Cruzeiro venceu o América por 3 a 0 e conquistou uma vaga na final do Campeonato Mineiro. O time celeste já havia batido o rival por 3 a 2 no confronto de ida e agora voltou a confirmar o seu favoritismo para assegurar lugar na briga pelo título.

O adversário da decisão será definido neste domingo, quando o Atlético-MG encara o Boa, também no Mineirão, no duelo de volta da outra semifinal. Na ida, em Varginha, as duas equipes empataram por 0 a 0. Antes de encarar esta final, os cruzeirenses voltarão a campo para encarar o Huracán, na quarta-feira, em Belo Horizonte, pela Copa Libertadores.

Os gols do triunfo da equipe comandada por Mano Menezes foram de Léo e Fred, ambos de cabeça no primeiro tempo, e Rafinha, que definiu o placar na etapa final. Fred, por sua vez, voltou a ser decisivo contra o seu ex-time, pois já havia marcado por três vezes na vitória por 3 a 2 no duelo de ida com o América.

No confronto deste sábado, a torcida celeste levou um susto no início ao ver o América abrir o placar aos 7 minutos. Após escanteio da esquerda, Marcelo Toscano desviou, a bola resvalou em Fred e Felipe Azevedo completou para o gol. Porém, o lance acabou sendo impugnado após o juiz Leandro Vuaden consultar a arbitragem de vídeo. E, ao constatar Felipe Azevedo tocou na bola com a mão, ele anulou o gol e ainda puniu o jogador do América-MG com um cartão amarelo.

Passado o susto, o Cruzeiro conseguiu fazer 1 a 0 já em seu primeiro ataque de maior perigo, aos 15 minutos. Em cobrança de falta, Robinho cruzou para a área e Paulão afastou, mas Lucas Silva aproveitou o rebote e deu assistência para o zagueiro Léo cabecear para as redes. E o segundo gol saiu já aos 19, quando Edilson roubou uma bola de Marcelo Toscano, avançou pela lateral e cruzou na cabeça de Fred, que não perdoou para ampliar o placar.

Em grande desvantagem, o América voltou a assustar os cruzeirenses aos 27 minutos, quando o lateral Leandro Silva avançou pela direita e arriscou o chute de fora da área, obrigando Fábio a espalmar em grande defesa para evitar o gol. E o goleiro trabalharia novamente de forma importante aos 4 da etapa final, desta vez em boa intervenção após finalização de Christian.

O América seguia em busca do ataque e desperdiçaria nova chance de descontar o placar aos 24 minutos, quando Matheusinho arrematou da esquerda e viu Fábio praticar outra bela defesa. Se o goleiro brilhava, o ataque cruzeirense só voltaria a funcionar aos 42, quando Rafinha puxou o contra-ataque e lançou para Robinho. O meia dominou pela direita e devolveu para Rafinha, livre dentro da área, selar o 3 a 0.

O gol levou ao delírio à torcida do Cruzeiro. E no jogo no qual acabou sendo registrado o recorde de público no futebol mineiro no ano. Os 51.525 presentes superaram os 46.924 espectadores que estiveram presentes na vitória do Atlético-MG sobre o Tupynambás, também pelo Estadual. Até este sábado, o maior público do Cruzeiro em 2019 havia sido registrado no clássico com o Atlético, no primeiro turno da competição, que contou com 43.354 torcedores no Mineirão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.