Mowa Press/Divulgação
Mowa Press/Divulgação

Diante de Portugal, Felipão enfrenta sua 'segunda pátria'

Técnico diz que ficará com o coração apertado durante a partida desta terça-feira

GONÇALO JUNIOR - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

10 de setembro de 2013 | 08h00

BOSTON - Felipão estará com um “aperto no coração” no amistoso desta terça-feira entre Brasil e Portugal, às 22h. Ele viveu conquistas importantes pessoais e profissionais dos dois lados. "Eu tenho cidadania italiana, mas considero Portugal minha segunda pátria. Vou sentir o mesmo aperto no coração que senti quando dirigia Portugal e enfrentei o Brasil. Vivi seis anos lá intensamente", disse o treinador na entrevista coletiva depois do último treino antes do amistoso.

Será a primeira vez que Felipão vai enfrentar a seleção que dirigiu no período entre 2003 e 2008. Nessa passagem, foi vice-campeão da Euro-2004, colocação inédita para os portugueses. Nos confrontos com o Brasil, Felipão leva vantagem com um empate e duas vitórias. Além das conquistas profissionais, Felipão também cita os laços fraternais e familiares. Seu filho Leonardo é casado com a portuguesa Mafalda, e ele mantém um relacionamento estreito com os jogadores e também com a Federação Portuguesa. "Conheço 90% do grupo. Quase todos já trabalharam comigo. Será muito bom reencontrá-los, conversar antes e depois do jogo", diz o treinador.

A contribuição de Felipão para o futebol português é reconhecida até pelo atual técnico de Portugal, Paulo Bento. "Os jogadores que estiveram com ele são gratos, vão cumprimentá-lo da melhor maneira possível, de uma forma efusiva, porque com ele conseguimos os melhores resultados."

Todo esse clima de amizade, no entanto, vai terminar quando o árbitro apitar o início do jogo. Sentimentos à parte, Felipão considera a partida importante para a preparação da seleção. Segundo ele, faltam apenas cinco partidas para o final do ano, limite que ele próprio estabeleceu para definir os jogadores titulares. O planejamento foi necessário porque a seleção não está disputando as Eliminatórias e, portanto, não tem jogos oficiais. "Temos de jogar todos os amistosos como se valessem três pontos. Nós não temos eliminatórias, por isso cada partida é importante para a Copa do Mundo", disse.

AUSÊNCIA SENTIDA

Nesse momento de preparação, Felipão lamentou a ausência de Cristiano Ronaldo. Depois de marcar três gols na vitória sobre a Irlanda do Norte por 4 a 2 nas Eliminatórias Europeias sexta-feira, o atacante foi dispensado do amistoso pela comissão técnica por precaução (jogou no sacrifício, com dores musculares). "Seria importante que ele jogasse para testar nosso setor defensivo. Ele é um jogador extraordinário, e com certeza traria dificuldades para uma eventual vitória nossa."

Para se ter ideia da falta que Cristiano Ronaldo fará, Felipão fez uma comparação ousada. "Portugal vai jogar sem um jogador que vem sendo o melhor. Seria a mesma coisa se tirássemos o Neymar da seleção."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.