Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Diáz queria ficar no Real, mas amizade com Romero o influenciou a jogar no Corinthians

Paraguaio é apresentado e fica no clube até o fim da próxima temporada

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2018 | 17h05

O atacante Sergio Diáz foi apresentado nesta sexta-feira no Corinthians e sua chegada muito se deve a amizade dele com Angel Romero. Quem confirma a história é o próprio jogador, que estava no Real Madrid B e chega por empréstimo válido até dezembro do ano que vem. 

"Isso foi uma das coisas que me motivou a vir para o Corinthians (a presença do Romero). Ele foi meu companheiro no Cerro (Porteño). Não jogamos juntos, mas treinamos juntos e eu joguei com o irmão dele. Essa foi uma das coisas que fez eu vir ao Corinthians", explicou o jogador, que é meia, mas também pode atuar mais avançado. 

Diáz chegou ao Real Madrid em 2016, mas nunca jogou pelo clube merengue. Ele ficou uma temporada no time B e depois foi emprestado ao Lugo, da segunda divisão espanhola. Lá, rompeu o menisco e os ligamentos cruzados do joelho direito e está sem jogar desde novembro de 2017.  

Em razão da lesão, ele ficará pelo menos mais três semanas longe dos gramados. "Inicialmente estava estipulado que eu começasse a treinar com o grupo na semana que vem. Aí a decisão dependerá do técnico, para me colocar nas partidas. Tenho que primeiro treinar com o grupo para ver como me sinto, como volto. Certamente em duas semanas já estarei jogando, projetou. 

O jogador contou que inicialmente tinha planos de permanecer no Real Madrid e buscar seu espaço no clube espanhol. Porém, mudou de ideia por causa da competitividade do clube espanhol. 

"Tentei subir para o time principal, mas é muito difícil. O Real Madrid tem jogadores muito bons e fica mais difícil quando é jovem. Mas a decisão de vir para cá foi muito boa, quero me recuperar, ter um bom ano, ajudar a equipe, fazer bons jogos e aí voltar para a Europa que é o sonho de todos."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.