Dida surpreende no dia do aniversário

Avesso a entrevistas, o goleiro Dida surpreendeu, nesta sexta-feira, ao interromper sua caminhada do gramado até o vestiário da Granja Comary a fim de responder a dezenas de perguntas. Ele completava 32 anos e estava ansioso para falar por telefone com os parentes, em Milão. O que aparentemente poderia parecer um presente de aniversário ? estar liberado do grupo que segue neste sábado até a Bolívia -, acabou tendo efeito contrário. ?Um presente para mim seria estar escalado?, disse. Ele ressaltou que não estava criticando a opção de Carlos Alberto Parreira de deixar oito atletas no Brasil, entre os quais os dois Ronaldos, Roberto Carlos, Cafu e Kaká. ?É que eu gosto e quero sempre jogar?. À tarde, Dida dividiu com Gilberto Silva, outro aniversariante do dia, a tarefa de apagar velinhas de um bolo de chocolate oferecido pelos colegas. O goleiro preferido de Parreira teve de ouvir antes algumas provocações bem humoradas de um concorrente da posição. Júlio César deu uma declaração de duplo sentido perto de Dida. ?Eu vou dar uma rasteira nele?. Depois, o ex-flamenguista acrescentou. ?É difícil ele dar uma brecha. Não se machuca, não é suspenso. Assim não é fácil?. Dida afirmou que está próximo de realizar um sonho, o de defender o Brasil numa Copa do Mundo como titular. Esteve em 1998 e 2002, como reserva primeiro de Taffarel e depois de Marcos. ?Espero agora não deixar escapar a oportunidade?. Destaque do Milan e muito querido entre os colegas da seleção brasileira, Dida se caracteriza pela timidez quando fala em público. Dentro de campo é um dos que mais gritam para orientar o time. ?Ele está sempre de olho na marcação correta dos zagueiros e laterais. Ajuda bastante?, comentou Roberto Carlos. Para Dida, é bom que o Brasil chegue a um Mundial como favorito. Isso levaria os adversários a tomar precauções às vezes excessivas. ?Impor respeito é sempre positivo, pode ter influência no desempenho das equipes?. O goleiro se sente muito jovem e não tem idéia de quando pretende encerrar a carreira. ?Tenho muita coisa pela frente. Com 32 anos, um jogador da minha posição pode ter ainda vários objetivos no futebol?. Ele se disse feliz no Milan, clube que reúne outros brasileiros conhecidos mundialmente, como Kaká e Cafu.

Agencia Estado,

07 de outubro de 2005 | 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.