Diego abafa revolta pela substituição

Um dia após ter saído de campo revoltado com sua substituição, o meia Diego procurou hoje apagar o incidente. Negou que tivesse levado um puxão de orelha do técnico Leão, afirmando que "muito pelo contrário, ele nos parabenizou pela vitória, então está tudo em ordem, do jeito que nós queríamos". Negou que tivesse feito gestos quando saiu de campo. "Não fui em direção ao banco, como costumo fazer; fui direto para o vestiário e talvez isso tenha refletido de uma forma negativa, mas de maneira alguma saí insatisfeito". Quando foi substituído no domingo pelo volante Daniel, Diego seguiu direto para o vestiário e, logo depois de tomar banho, pegou um taxi e foi para casa. "Falaram que teve dura do Leão no vestiário, mas eu sai aos 25 minutos e não conversei com ele; que teve dura por causa da revista e por outras coisas", comentou. E concluiu: "as pessoas fazem questão de me envolver em polêmicas que não existem". Quanto a substituição disse que não ficou chateado. "Estamos sujeitos a substituições, não foi a primeira, nem será a última partida que eu vou sair de campo". Entende que no jogo contra o Atlético-PR conseguiu ajudar o Santos, pois fez um gol e participou dos outros dois. "Não entro em campo para dar show e sim para jogar um futebol objetivo e ajudar o time, saí satisfeito por ter marcado o gol e dado o passe para o Fabiano e para o Elano sofrerem pênalti". Diego admitiu que estava calor e havia corrido muito. "Eu estava muito cansado e já não estava dando conta de marcar o volante do Atlético e ele optou por colocar mais um volante, como já fez em outras partidas". Mesmo nessa situação, disse que não pediu para sair. "Não cheguei a pedir, sou fominha para caramba; só se estivesse mesmo sem condições de andar em campo". Leão também procurou diminuir o incidente. Perguntado se havia dado bronca em Diego, disse: "converso todo dia com o Diego, com o Robinho, com todos, e é nossa rotina dialogar com nossos atletas; uma hora um pouco mais alegre, outra um pouco mais triste e é por isso que tem dado certo". Depois, falou mais claramente: "todo mundo sabe que o Diego é rabugento, não tem o que esconder, e ele também sabe". E deu sua opinião: "logicamente, ele foi desagradável com os companheiros, mas ele já sabe que errou, conversou e esse tipo de ensinamento é que faz a recuperação do atleta". Na avaliação do treinador, Diego foi "anti-profissional naquele momento para com seus companheiros". Sobre a substituição, disse que "até quando achei que ele estava bem, ele ficou; a partir do momento em que achei que deveria substituí-lo por uma necessidade tática, fiz a substituição".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.