Gilvan de Souza / Flamengo
Gilvan de Souza / Flamengo

Diego Alves minimiza desempenho em agosto e considera oscilação normal

'Não vamos ganhar todos os jogos', afirma o goleiro, com o Flamengo ainda vivo em três competições

Estadão Conteúdo

24 Agosto 2018 | 19h42

Às vésperas do duelo de domingo diante do América-MG, no Independência, pela 21.ª rodada do Campeonato Brasileiro, o goleiro Diego Alves precisou responder nesta sexta-feira sobre o momento oscilante do Flamengo na temporada. O experiente jogador de 33 anos minimizou a queda da equipe em agosto e considerou normal a fase atravessada.

"Um balanço tem que ser feito quando termina a competição, não o mês. Depende muito do momento. Em outros meses, seria possível fazer um balanço muito positivo do que a gente fez. Acho que é normal haver uma oscilação. Não vamos ganhar todos os jogos", declarou.

Se entrou em agosto como líder do Campeonato Brasileiro e nas oitavas de final da Libertadores, o Flamengo chega a este fim de mês na terceira colocação da competição nacional e precisando de uma grande virada sobre o Cruzeiro para seguir no torneio continental. Somente na Copa do Brasil, em que chegou às semifinais, o time rubro-negro segue em alta.

"Estamos a dois pontos do líder, classificados na Copa do Brasil e tem o jogo da volta da Copa Libertadores para jogarmos. Está bastante complicado para todos os times. O Grêmio, que é o atual campeão da Libertadores, caiu para nós na Copa do Brasil e ficou longe dos líderes no Brasileirão, mas isso não quer dizer que o final de ano deles vai ser ruim", considerou Diego Alves.

Para encerrar a oscilação e voltar a embalar uma sequência de boas atuações, o Flamengo confia na força de sua torcida. Na última quinta-feira, os rubro-negros ignoraram o momento da equipe e compareceram em peso ao Maracanã - foram 51.878 torcedores no estádio - para acompanhar o triunfo por 1 a 0 sobre o Vitória. Diego Alves pediu que o comportamento seja mantido pelo restante da temporada.

"A torcida é fundamental para nós e todos viram a nossa força com eles no Maracanã. Isso mostra que o torcedor está do nosso lado e queremos que eles acreditem e confiem na gente. Quando tem a união entre torcida e time, as coisas acontecem melhor. Sabemos da pressão e da responsabilidade que é estar no Flamengo, mas quando a fase é boa e o time está unido com a torcida, fica difícil de nos bater. Contamos com o apoio deles e queremos essa união até o final", disse.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.