Pedro Souza/Atlético-MG
Pedro Souza/Atlético-MG

Diego Costa é alvo da PF em operação por lavagem de dinheiro em site de apostas

Atlético-MG afirmou em nota que acompanha o caso e, se for necessário, vai dar apoio ao jogador

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2021 | 21h31

Machucado no Atlético-MG, Diego Costa tem um problema bem maior para se preocupar. O atacante é alvo da Polícia Federal do Sergipe, que o investiga como suposto financiador de uma prática de exploração de jogos de azar, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa envolvendo o site de apostas ESPORTENET. No começo do ano, a casa do jogador foi um dos alvos de busca e apreensão de provas.

A Operação Distração está em sua segunda fase, buscando provas e tentando descobrir quem são os proprietários, os operadores financeiros e o financiador do esquema criminoso. 

"Na primeira fase da operação, deflagrada em 03/03/2021, foram apreendidos documentos e equipamentos eletrônicos que permitiram o aprofundamento da investigação e a quantia de R$ 13.129.217,00 em espécie. Com base nas provas coletadas, foi possível identificar outras plataformas de aposta utilizadas pelo grupo e empresas físicas e pessoas jurídicas utilizadas para lavagem de dinheiro e evasão de divisas", informou a Polícia Federal.

"Além disso, foi constatada a participação de doleiros que auxiliam a organização criminosa no processo de evasão de divisas, bem como a participação de um jogador de futebol que, supostamente, é o financiador do esquema criminoso", seguiu, sem revelar o nome de Diego Costa. Mas é o jogador do Atlético-MG quem tem casa na cidade de Lagarto, uma das visitadas em março.

"Nesta fase, a investigação está concentrada no processo de evasão de divisas, com foco nos doleiros e no financiador do site de apostas", seguiu a PF. Estão sendo cumpridos sete mandados de busca e apreensão: dois em Itabaiana-SE, um em Lagarto-SE, dois em Simão Dias-SE, um em Salvador-BA e um em São Paulo. Os mandados foram expedidos pelo Juízo da 6ª Vara Federal de Itabaiana. "Também estão sendo cumpridos mandados de sequestro de bens pertencentes aos envolvidos no esquema criminoso", concluiu a nota da PF.

Apesar de colocar um advogado para acompanhar o caso e prestar total respaldo a Diego Costa, o Atlético-MG garantiu não ter ciência das investigações quando acertou com o jogador. "Os fatos noticiados não dizem respeito ao clube; não eram de conhecimento público, tampouco da instituição (por se tratarem de investigações); e são anteriores à chegada do atleta ao Atlético", afirmou o clube mineiro. "Não obstante, o Atlético está se inteirando do eventual ocorrido para dar, caso seja do interesse do atleta, todo apoio que lhe for necessário."

A defesa garante que Diego Costa é inocente, que se apresentará voluntariamente à Polícia Federal e que prestará todos os esclarecimentos. Segundo os advogados do jogador, nada foi encontrado em sua casa que o envolvesse ao crime.

Tudo o que sabemos sobre:
Atlético MineiroDiego Costafutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.