Murad Sezer/Reuters
Murad Sezer/Reuters

Diego Costa lamenta 'infelicidade' da Espanha em empate: 'Tivemos o controle'

Atacante brasileiro naturalizado espanhol marcou dois gols no empate por 3 a 3 com Portugal

Marcio Dolzan, enviado especial / Sochi, O Estado de S.Paulo

15 Junho 2018 | 19h50

Espanha e Portugal corresponderam à expectativa e fizeram um grande jogo nesta sexta-feira, na estreia das seleções na Copa do Mundo. Os espanhóis estiveram atrás no placar em duas oportunidades, buscaram a virada, mas viram Cristiano Ronaldo marcar seu terceiro gol na partida e definir o empate por 3 a 3 em uma linda cobrança de falta, já aos 42 minutos do segundo tempo.

+ Cristiano festeja marca histórica após igualar feito de Pelé, Klose e Seeler

+ Ronaldo tem força mental elogiada por Fernando Santos e é exaltado até por Hierro

"A gente conseguiu buscar o resultado duas vezes e tivemos o controle do jogo durante todo o tempo. Foi uma infelicidade nossa, num golaço de um jogador como o Cristiano, que marcou de falta e empatou o jogo. O que vale é o espírito do time, que conseguiu ir atrás do resultado duas vezes, o que não é fácil numa Copa do Mundo", declarou o atacante Diego Costa.

Nascido no Brasil e naturalizado espanhol, o atacante foi o destaque espanhol na partida, ao marcar os dois primeiros gols da seleção. Está ao lado do russo Cheryshev e atrás justamente de Ronaldo na artilharia, um sonho do jogador. "Sonho com muitas coisas na vida. Todo ser humano tem que ter sonhos", disse ao ser perguntado sobre a possibilidade de terminar como maior goleador do torneio.

Apesar do empate sofrido no fim, Diego Costa considerou que a Espanha teve uma boa atuação diante de Portugal e reforçou que a seleção é uma das candidatas ao título na Rússia. "Acho que, se você olhar pelo time que a gente tem, os jogadores que têm na seleção, somos jogadores que podemos disputar o título, sim."

 

O atacante, no entanto, alertou para um possível concorrente dos espanhóis. "Eu, sinceramente, vejo o Brasil bastante favorito. Para mim, é a seleção que tem total condição de ganhar, por tudo. Pela volta por cima, pela entrada do Tite depois de tudo o que vinha passando. O Tite conseguiu dar confiança aos jogadores, e quando os jogadores têm confiança, as coisas saem naturalmente. O Brasil está mostrando a cada jogo, e agora o Neymar está de volta outra vez, fazendo grandes jogos."

Depois de encarar Portugal, a Espanha se prepara para seu segundo compromisso na Copa do Mundo, diante do Irã, quarta-feira que vem, em Kazan. Cinco dias mais tarde, a equipe fecha a primeira fase contra Marrocos, em Kaliningrado.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.