Diego desmente mídia alemã e diz que não dirigiu embriagado

O meia brasileiro Diego, do Werder Bremen, negou o episódio divulgado neste domingo pela imprensa alemã, no qual teria sido parado pela Polícia após dirigir de forma perigosa. Segundo o jornal "Bild", o teste realizado pela Polícia de Bremen teria indicado a presença de 0,8 miligramas de álcool no sangue de Diego. Veja também: Meia Diego é pego dirigindo sob efeito de álcool na Alemanha  Dê seu palpite no Bolão Vip do LimãoO jogador explicou que não cometeu nenhuma infração e disse que a Polícia fazia apenas uma operação de rotina. "A Polícia de Bremen fez o seu trabalho como sempre o faz, de forma competente. Fui até a delegacia acompanhando os policiais porque, como pessoa pública e com a atenção que tenho recebido da imprensa, a situação chamaria mais atenção do que o necessário", disse, por meio de sua assessoria de imprensa. "O que se tratou de apenas uma verificação de rotina, poderia acabar gerando um tumulto ou até um inconveniente no trânsito. Ir à delegacia foi realmente uma atitude segura para todos", completou. Diego também disse que a quantidade de álcool detectada no seu sangue estava de dentro da lei do país, tanto que não teve sua carteira apreendida. "Fui submetido ao mesmo procedimento que qualquer pessoa. Essa informação de que eu teria minha carteira apreendida ou a quantidade de álcool identificada não é procedente. Nada disso foi dito para mim", disse. "Eu havia bebido apenas uma taça de vinho, estritamente dentro do que a lei alemã permite. Recebi minha carteira de motorista na mesma hora e voltei para casa", acrescentou. O camisa 10 do Werder Bremen elogiou o trabalho da Polícia de Bremen e disse que a forte fiscalização é importante para conscientizar os motoristas. "Sinto-me satisfeito em ver o trabalho da Polícia de Bremen. Tenho o privilégio de morar em uma cidade segura e organizada, e vejo que o poder público zela para que ela permaneça assim. Assim como eu fui controlado, sei que outros motoristas também são. Isso desencoraja qualquer um que tenha pensado em tomar o volante depois de beber", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.