Diego escreve carta aos torcedores do Flamengo: 'Vim ser feliz'

Atacante foi confirmado como novo reforço do clube

Estadão Conteúdo

19 de julho de 2016 | 20h25

Depois de ser oficializado como reforço do Flamengo, o meia Diego escreveu uma carta para os torcedores rubro-negros. Ele relembra todos os números da carreira e diz que aceitou o convite do time carioca com o objetivo de ser feliz.

O meia de 31 anos deixou o Fenerbahçe na Turquia e retorna ao Brasil após 11 anos na Europa. Ao longo deste período, diversos clubes tentaram repatriá-lo, como Corinthians, São Paulo, Flamengo e, principalmente, o Santos, que o revelou, mas sempre esbarraram na alta pedida salarial ou na recusa do time do jogador de liberá-lo. A apresentação do jogador está marcada para esta quarta-feira.

Diego surgiu para o futebol no título brasileiro do Santos em 2002, quando, aos 17 anos, formou dupla com Robinho. Ficou no clube até o meio de 2004, antes de ser negociado com o Porto. Brilhou no Werder Bremen entre 2006 e 2009 e foi para a Juventus. A partir de então, rodou sem grande destaque por Wolfsburg, Atlético de Madrid e Fenerbahçe.

Confira o comunicado de Diego na íntegra:

Letras, não números

O que é a carreira de um jogador de futebol sem a análise de números? Gols, assistências, partidas, minutos jogados, distância percorrida em campo, títulos, idade e até a conta bancária.

Nestes meus 31 anos de vida, quase todos dedicados ao futebol, tenho muitos números dos quais me orgulho. Saí do Santos com apenas 19 anos para ir para a Europa. Lá, fiquei 12 anos. Joguei em 6 clubes gigantes, de 5 países, e conquistei 10 títulos. Só na Europa, fiz 403 jogos, 101 gols e 111 assistências. No Fenerbahçe, meu último clube, 75 jogos, 8 gols e 13 assistências.

Fui convocado para a Seleção Brasileira e ganhei 1 medalha olímpica e 2 vezes a Copa América.

Mas isso não é tudo. Mais do que os números, são as letras que importam.

E foi por isso que eu escolhi jogar no Flamengo.

Não sei ainda o número que estará na parte de trás da minha camisa, mas sei bem as letras que estarão no escudo que fica ali no lado esquerdo do peito: CRF.

Assim como todo jogador se preocupa com os números, ele também sonha em jogar vestindo este Manto Sagrado. Em ter seu nome cantado pela Nação Rubro-Negra. Em ser feliz e fazer feliz. E foi por isso que eu vim. Por minha causa, sim, mas também por vocês.

Agradeço pelo carinho e pela confiança. À galera bem humorada da FlaTwitter, aos sócios-torcedores, que são fundamentais para o clube, e a cada um dos milhões de rubro-negros no Brasil e no mundo.

A grandeza do Flamengo dispensa apresentações, mas mesmo assim me surpreendeu. Nas redes sociais, nas ruas, nas mensagens dos meus amigos, todos que falaram comigo fizeram o mesmo pedido: "vem ser feliz no Mengão".

Eu vim. Eu vou ser. E vou me dedicar ao máximo para fazer cada um de vocês também muito feliz.

Não são os números, são as letras.

SRN! TMJ!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.