Diego: mais um dia de boataria

Santos viveu mais um dia de muito boato sobre a saída do meia Diego para o Tottenham. Nesta segunda-feira, o jogador almoçou com seu pai, Dejair Silveira da Cunha e três ingleses numa churrascaria da cidade. À tarde, um grupo de ingleses participou de uma reunião com o vice-presidente Norberto Moreira da Cunha, mas a assessoria de imprensa santista se apressou em explicar que as discussões eram sobre um plano de marketing internacional, nada tinha a ver com a venda do meia.Do lado do clube, não há informações sobre novas negociações no dia de hoje, mas no sábado o presidente Marcelo Teixeira foi procurado novamente, com uma contraproposta do clube inglês e ainda não havia respondido. O diretor de futebol, Francisco Lopes informou que não houve reunião entre a diretoria santista e representantes do clube inglês para tratar da transferência de Diego."Antes da partida de sábado, eles procuraram, aumentaram extra-oficialmente a proposta, mas ainda assim o presidente Marcelo Teixeira não achou interessante para liberar de imediato o jogador", disse Francisco Lopes. Não foi confirmada oficialmente, mas as informações são de que a proposta chegou a US$ 15 milhões, com US$ 13,5 milhões para o Santos e R$ 1,5 milhão para a família do jogador. O jogador seria beneficiado com um aumento em seu contrato por cinco anos, que passaria de US$ 8 milhões para US$ 10 milhões.LIDERANÇA - Agora que chegou à liderança do Brasileiro, o Santos pretende ali permanecer até o final do campeonato. Leão entende que seu time assumiu a ponta ?vencendo um jogo muito disputado e merecidamente". Mas admite que "a responsabilidade aumentou e o time não pode perder pontos, pois precisa de todos os resultados". Por isso, vai procurar corrigir nesta semana em que o Santos só volta a jogar no sábado para os problemas que o time vem apresentando, especialmente os de finalização. Mas a grande quantidade de oportunidades criadas deixa o treinador tranqüilo. "Há tempos o Santos vem errando, mas consegue marcar também muitos gols".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.