Diego: mudança foi opção do treinador

O meia Diego estava muito tranqüilo durante a reapresentação de hoje no CT Rei Pelé e nem se queixou de sua substituição no intervalo do jogo. "Ela foi normal, uma opção do treinador", disse ele, considerando a reação da torcida do Palmeiras como esperada. "Se os torcedores adversários estivessem me elogiando podia ficar desconcentrado na partida, porque seria o inesperado, mas como eles tentaram me provocar, encarei com naturalidade esse fato. Não foi a primeira vez e em todos os jogos a torcida procura desconcentrar algum jogador e isso faz parte do futebol". Diego entende que o treinador não tem necessidade de explicar a substituição, mas Leão acabou dizendo para ele que era uma alteração tática e que não costuma fazer duas substituições no intervalo e ele aceitou. "Eu procuro fazer tudo o que o professor Leão pede e não estou aqui para questionar nenhuma decisão; estou aqui para jogar futebol e é isso o que pretendo fazer sempre". Para ele, a mudança deu certo. "Conseguimos um empate muito importante e isso é o que conta", disse. Diego entende que "um jogador de ponta está sujeito a substituição" e que não foi a primeira vez que isso ocorreu em sua carreira. "O que importa é o bem da equipe e quando o técnico achar que precisa trocar, estamos prontos para ser substituídos ou entrar na partida". Em sua avaliação, ele diz que se esforçou bastante, procurou fazer gol e deu assistência.Mas Diego acha que é normal a cobrança que recebe. "A cada degrau que vamos subindo, a responsabilidade e a cobrança aumentam. Isso faz parte do futebol e é até bom para que possamos trabalhar sempre para melhorar". Libertadores - Diego está mais preocupado com a disputa da Libertadores e o time do Santos embarca amanhã para Cochabamba, onde irá enfrentar o Jorge Wilsterman na quinta-feira, na estréia da Libertadores da América. O meia acredita que seu time esteja mais forte do que no ano passado. "O Santos sempre foi forte, mas essas contratações reforçaram ainda mais e todos já se engajaram no esquema tático e profissional do clube e dá para prever que faremos uma boa Libertadores". Ele acha que a disputa da final da Libertadores no ano passado a o vice-campeonato deram mais experiência ao time, que sonha agora em corrigir os defeitos para ficar com o título. "Tivemos a oportunidade de disputar a final e tivemos nossos sonhos frustrados, mas isso é uma motivação a mais para todo o grupo, disse Diego, que disse que só o fato de disputar a final já deu uma alegria muito grande. "Imagine ser campeão". Os jogadores do Santos viajam depois do treino de amanhã para a Bolívia e bem que Leão tentou fazer uma viagem diferente: ir primeiro para Santa Cruz de La Sierra, onde não há o problema de altitude, para chegar a Cochabamba pouco antes do jogo. Mas acabou desistindo quando soube que só havia um vôo diário e preferiu não enfrentar risco. Assim, o time já estará treinando terça-feira uma altitude de 2.600 metros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.