Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Diego não admite queda de produção

O futebol de Diego mudou depois da experiência frustrada no Pré-Olímpico disputado no Chile? O jogador não acha. Ele diz que aprendeu lições e está mais fortalecido para qualquer tipo de cobrança. "Talvez não tenha tido destaque em algumas partidas, mas meu futebol continua sendo o mesmo, não vejo uma caída de produção." Diego vem sendo substituído nas partidas, quando o técnico Emerson Leão procura mudar taticamente a equipe. O treinador tem uma visão a respeito do momento atravessado pelo meia, um de seus principais jogadores. "Logicamente que ele está passando por uma fase de cobrança muito maior por todos e, por causa dessa cobrança, ele quer, involuntariamente, até mudar suas características." Leão prosseguiu. "A bola tem que sair mais rápida, mais solta, e ele a carrega. Se perde a bola, vem a reação e aí complica." E o treinador completou. "Às vezes o Diego quer mostrar que sabe fazer e não precisa fazer isso para mim, pois já sei que ele sabe." O meia não entrou em polêmica com o treinador. "O professor Leão está sempre mostrando aos jogadores o caminho mais fácil e esse é apenas um dos detalhes que preciso melhorar", comentou Diego. "Ele tem pedido bastante para eu chegar na área, tocar a bola e me apresentar na área", disse, reconhecendo que às vezes participa da criação das jogadas, mas não da conclusão. "A presença na área é um dos pontos que ele me cobra e estou procurando fazer isso." A cobrança de que segura demais a bola não é nova na carreira de Diego, nem o fato de errar jogadas. "Estou acostumado, pois desde que jogo futebol sou um jogador de criação, que participa 80% ou mais das jogadas da equipe. Por isso, a tendência de quem participa mais é a de errar e acertar em maior quantidade.? Ele considera normal a cobrança que ocorre quando perde a bola. "Tenho consciência de que preciso aperfeiçoar meu futebol e isso vai acontecendo no decorrer do tempo." Mesmo admitindo que possa não estar rendendo o máximo, acha que sua fase atual é boa. "Não há qualquer problema, pois foi com esse futebol que cheguei no Santos e, se não fosse ele, não estaria onde estou." Mais maduro desde que retornou da disputa do Pré-Olímpico no Chile, Diego revela que aprendeu bastante e está mais forte para receber qualquer tipo de cobrança e responsabilidade. E acha também que não há motivo para as críticas. "Somos líderes dos dois campeonatos importantes que estamos disputando.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.