Diego promete parar com reclamações

Se depender do retrospecto de Diego em jogos contra a Argentina, o Brasil tem tudo para começar o quadrangular final do Pré-Olímpico do Chile, nesta quarta-feira, com uma vitória. O jogador do Santos enfrentou três vezes os argentinos com a camisa da seleção e ganhou as três. "Joguei pela Sub-16 num torneio na Itália, pela Sub-17 num Sul-Americano no Peru e pela Sub-21 no Torneio de Toulon. Dou sorte contra eles e espero manter essa escrita aqui no Pré-Olímpico."Com a camisa do Santos, ele perdeu os dois jogos para o Boca Juniors na final da Libertadores do ano passado. Mas deixa essa frustração de lado para falar sobre a partida desta quarta-feira. "Foi uma tristeza muito grande deixar escapar um título que estava tão perto, mas isso ficou para trás e não tem jeito de mudar a história. Não penso no jogo daqui como uma revanche, porque não é o Santos que está jogando. A rivalidade entre brasileiros e argentinos vai existir sempre, porque são dois países de muita tradição e qualidade no futebol, mas é preciso separar as coisas."Diego teve de ver o jogo contra a Colômbia da tribuna do estádio Playa Ancha, no domingo, por ter recebido seu segundo cartão amarelo na partida contra o Chile. Logo depois daquela partida ele reclamou muito do árbitro argentino Cláudio Martín - que também lhe mostrou um cartão no jogo contra o Uruguai. Agora, depois de perder o sono com medo de um desastre que tirasse o Brasil do quadrangular e das declarações do presidente Ricardo Teixeira de que os jogadores estavam reclamando muito do juiz, ele promete virar um santo."Daqui para a frente, me recuso a falar sobre arbitragem. Se acontecer algum problema em campo, vou engolir o desaforo quieto. Só quero saber de jogar o meu futebol e ajudar o Brasil a se classificar para a Olimpíada", avisou Diego. Em sua opinião, o susto que o time passou ao ter de jogar a repescagem serviu para ajudá-los a se concentrarem mais na competição e deixar as brincadeiras no hotel um pouco de lado. "Há males que vêm para bem. Ninguém esperava ter de jogar a repescagem, mas o grupo saiu mais forte dessa experiência. Estamos mais compenetrados. Não sei se chegamos a cometer excessos nas brincadeiras, mas a verdade é que agora estamos vivendo o clima de decisão, de termos três finais pela frente", garantiu Diego.

Agencia Estado,

19 de janeiro de 2004 | 18h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.