Diego reclama de clubes brasileiros

?O jogador brasileiro é desvalorizado pelos clubes. Isso não condiz com a nossa qualidade e potencial. Nós, brasileiros, somos os melhores do mundo, mas precisamos ser mais valorizados. Não sei de quem é a culpa.? A afirmação do meia Diego, do Porto, durante o lançamento de seu site oficial ? www.diego10.com.br ?, retrata um pouco da indignação dos atletas brasileiros diante da fortuna que a parceriaCorinthians/MSI gastou (cerca de US$ 20 milhões) para tirar o atacanteTevez do Boca Juniors.Diego pode se incluir na lista das revelações do futebol brasileiroque, na hora de ser negociado com o futebol europeu, tem de aceitar osvalores oferecidos, sem nem poder reclamar. Na metade deste ano, elefoi negociado com o Porto por cerca de 7 milhões (R$ 20 milhões). Mais recentemente, foi a vez do atacante Luís Fabiano trocar o São Paulo pelo Porto por pouco mais do que esse valor. Ano passado, o Milandesembolsou uma ?merreca? para contratar Kaká do São Paulo.?Temos de reconhecer o mérito dos argentinos. A gente sabe que noBrasil há jogadores que valem o mesmo, mas nenhum clube quer pagar.Acabam não sendo valorizados. Por isso, temos que aprender com osargentinos?, afirmou.Diego reconhece que o destino do amigo Robinho será o mesmo: a Europa. ?Uma hora ou outra será inevitável a saída do Robinho. Mas eu nem me imagino jogando contra ele. Mas no futebol, você está sujeito a isso.Fora de campo, continuamos muito amigos, mas dentro de campo, seriacomplicado.?Em seis meses de Porto, Diego já conquistou um importante título: o doMundial Interclubes, contra o Once Caldas ? algoz do Santos naLibertadores da América. ?Era um sonho que se realizou. Quando eragaroto via o Raí pela tevê e sempre sonhava em disputar aquele jogo noJapão. O Santos fez tudo para chegar lá, mas não conseguiu. É um títulomuito importante para mim?, disse.A lembrança da partida no Japão só não é melhor porque Diego foiexpulso durante as cobranças de pênalti, depois de discutir com ogoleiro Henao. ?Ele já tinha me provocado quando eu estava no Santos econtinuou falando agora contra o Porto. Aquilo que fiz foi um desabafo,coisa de futebol. Não guardo rancor nenhum?, assegurou o jogador. ?Oque falei pra ele? Ah, desejei feliz Natal para ele e toda a família?,brincou.O desabafo, porém, custou caro ao meia. Ele ficará de fora do jogo deida das oitavas-de-final da Copa dos Campeões, contra a Inter de Milão,em Portugal. ?Esse campeonato é diferente de tudo o que já vi. É umtorneio de altíssimo nível e muito difícil. Sofremos bastante paraconseguir a classificação na primeira fase e, agora, teremos umconfronto muito complicado com a Inter?, analisou.O futuro na Seleção, segundo ele, está diretamente relacionado ao seudesempenho no meio-de-campo do Porto. ?Esse foi sempre o meu objetivo.Desde que eu tinha 15 anos. Já passei por todas as categorias e todosque estão lá, conhecem o meu futebol?, ressaltou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.