Diego Souza assume responsabilidade e promete 'resolver'

Meia diz que não se intimida com a cobrança da torcida e afirma que não tem que provar nada para ninguém

Agência Estado,

27 de agosto de 2008 | 00h35

Vivendo uma relação de altos e baixos com a torcida e com um futebol que já foi questionado inclusive por Vanderlei Luxemburgo em muitos jogos, Diego Souza afirmou nesta terça-feira que não tem "que provar nada para ninguém", nem mesmo para o treinador de sua equipe."Se hoje estou aqui, é porque ele (Luxemburgo) pediu a minha contratação. Então não tenho que mostrar nada mais para ele", disparou o camisa 7, que, jogando pelo Grêmio, acabou com o Santos de Luxemburgo na Libertadores do ano passado, chamando a atenção do treinador. "Só tenho que continuar me empenhando nos treinos e nos jogos para ajudar meus companheiros."Diego Souza não parou por aí. "Fui contratado para resolver e eu gosto de ter essa responsabilidade." Ele carrega o peso de ter sido a contratação mais cara para a temporada - R$ 10 milhões pagos pela Traffic ao Benfica, de Portugal. "Esperam muito de mim e eu venho tentando corresponder."O jogador prometeu que pode ser o comandante do meio-de-campo palmeirense e que não se intimidou com o protesto da torcida na semana passada - uma pichação no muro do Palestra Itália pedia a saída dele do clube. "Cobrança é normal e sempre vai existir para todos os jogadores." O meia falou grosso: "Aqui só tem homem. Todo mundo tem personalidade neste grupo, e pode ter certeza que a gente não sai por aí para perder. Nossas atuações fora de casa não têm dado certo, mas não tem faltado empenho."Questionado se vem falhando em campo, Diego Souza respondeu: "Sim, bastante. Não é segredo para ninguém que perdi gols importantes, gols que eu não poderia perder." Ele balançou a rede apenas duas vezes neste Brasileirão. "Mas agora tenho jogado mais perto do gol. Fui bem contra a Portuguesa e espero continuar em ascensão com o time."E que ninguém lhe pergunte se Valdivia faz falta. "Ele é passado, não está mais aqui e nosso time tem tudo para se virar sem ele", atestou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.