Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

Diego Souza elogia o bom toque de bola do Palmeiras

Jogador marca dois gols na goleada sobre o Mogi Mirim por 5 a 1 na estreia no Campeonato Paulista

Daniel Akstein Batista, O Estado de S. Paulo

16 de janeiro de 2010 | 20h31

O entrosamento entre os homens de frente foi fundamental para o Palmeiras aplicar a goleada sobre o Mogi Mirim, neste sábado. O time atuou diferente do ano passado, quando apostava nas bolas aéreas. "Temos jogadores de qualidade e, quando encaixamos o toque de bola, somos fortes", disse Diego Souza, um dos destaques da equipe.  

 

Veja também:

linkPalmeiras goleia Mogi Mirim por 5 a 1

especial QUIZ - Você sabe tudo sobre o Paulistão?

lista RESULTADOS / tabelaCLASSIFICAÇÃO

som GOLS - Ouça na Rádio Eldorado/ESPN

O Palmeiras já estava melhor que o Mogi quando o adversário teve um atleta expulso. Depois, teve mais facilidades para armar o jogo. "Se deixarem a gente tocar a bola, vamos chegar no gol a cada três minutos. Merecemos a vitória", falou o atacante Robert. "É sempre importante começar com o apoio da torcida e marcando gol".

O técnico Muricy Ramalho elogiou a postura da equipe e ficou feliz com a resposta em campo. Aprovou principalmente o posicionamento e as jogadas criadas. "Gostei que a equipe aguentou bastante [fisicamente] e passou melhor. No ano passado, nosso passe era muito ruim. Por isso trouxemos o Márcio Araújo, que é muito bom neste fundamento".

Apesar de não ter tido muito tempo para treinar, Muricy afirmou que os jogadores entenderam as suas ordens. "Fiquei contente que o time teve um desenho tático, jogou pelos lados do campo", explicou. "Os volantes dominaram e fomos seguros. Mas também é verdade que o fato de eles terem um jogador a menos facilitou", admitiu.

Cleiton Xavier, outro com boa atuação neste sábado, afirmou que o Palmeiras ainda tem muito a melhorar. "Não estamos na nossa melhor forma física", avisou o meia. "O individual fez a diferença".

AJUDA

O clube vai destinar 5% da renda líquida deste sábado para as vítimas do terremoto do último dia 12 no Haiti. O valor é um pouco menos de R$ 17 mil.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.