Diego Souza mais preocupado com tática

Diego Souza já jurou várias vezes que mudou seu comportamento, está mais maduro. OK. Mas e em campo? Mudou alguma coisa? Segundo o técnico Leão, o meia tem potencial até para se tornar um armador do nível de Petkovic e Ricardinho. Para o ex-volante Paulo Roberto Falcão, hoje comentarista da TV Globo, isso é um exagero: "Diego não tem toda essa técnica".Leão argumenta que Diego é jovem (21 anos) e tem muito a aprender. Atualmente, segundo o técnico, a maior contribuição de Diego para o Palmeiras está no aspecto tático. Contra o Paraná, na reestréia do meia, jogadores como Fabiano e Juninho tiveram suas atuações facilitadas graças ao trabalho de Diego. "Joguei para o time", diz o meia, sério, sem as brincadeiras de antes. "Minha função é ser volante quando não temos a bola e atacante com ela, chegando na área."Sendo volante, Diego libera Juninho da marcação. "Pude chegar mais perto do gol nesse último jogo", diz Juninho, que, não por acaso, balançou duas vezes a rede do Paraná. "O Fabiano mostrou mais poder ofensivo nessa última partida", diz Leão, apontando a entrada de Diego como um dos motivos para o ressurgimento do lateral ? fazia tempo que Fabiano não jogava tão bem como no último domingo.Diego entende que, nas próximas partidas, ainda deverá penar um pouco para conquistar o apoio maciço dos torcedores, principalmente nessa nova função tática na qual "joga mais para o time". Por isso mesmo, sonha com um gol no jogo de sábado, contra o Cruzeiro, no Palestra Itália ? todos os ingressos já foram vendidos. "Seria o retorno perfeito. Não vejo a hora de voltar a jogar em casa e sei que um gol poderia coroar minha atuação."Diego lembra também que sua função defensiva é importante. "Eu tenho que ficar ao lado do Corrêa e do Marcinho Guerreiro na marcação, como um verdadeiro volante, e ainda cuidar da saída de bola."Por conta disso, o meia admitiu ter sentido cansaço durante o jogo contra o Paraná, sua primeira partida oficial em cinco meses. "O próprio Leão viu que eu estava cansado. Realmente, foi difícil correr os 90 minutos. Não estava mais acostumado." O meia salienta que "agora é questão de tempo até readquirir ritmo de jogo".Recuperar Diego, segundo Leão, é fácil. "Ele joga bola e, para mim, é isso o que basta." Difícil, de acordo com o treinador, vai ser controlar a badalação depois que o meia voltar a mostrar o bom futebol de 2003. "Quanto menos a gente falar de Diego, melhor. O negócio é jogar bola", diz o treinador.O meia, que já teve desentendimentos com Estevam Soares no passado, é só elogios a Leão. "É um técnico que sabe conversar com os jogadores, sabe passar o que quer de cada um."Três listras - O Palmeiras vestirá Adidas pelos próximos três anos. O contrato de patrocínio de material esportivo foi acertado com a empresa alemã na noite de segunda-feira e renderá ao clube cerca de R$ 28 milhões. A Adidas concorria com a Reebok que havia feito oferta semelhante.Até o final do ano, porém, o Palmeiras continuará vestindo Diadora. O contrato com a empresa italiana, que expira em dezembro, rendia R$ 2,5 milhões anuais ao clube.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.