Diego Tardelli que se cuide com Luizão

Após fazer o primeiro gol pelo São Paulo, dia 20 de fevereiro, contra o Palmeiras, Luizão deu uma entrevista em que mal conseguia se fazer entender. O ar parecia faltar. O terceiro gol veio na quinta-feira, em La Paz, onde o oxigênio é algo raro por natureza. E ele nem sentiu. Continuou lutando, bem ao seu estilo, contra os zagueiros do The Strongest, até o último minuto - a estréia na Libertadores terminou empatada em 3 a 3.O atacante, que sempre disse querer apenas colaborar com o São Paulo, sem se incomodar com o banco de reservas, aparece agora como um provável titular. Pelo menos está escalado para o jogo de domingo, contra o Paulista, em Jundiaí, pelo Paulistão. Vai substituir Diego Tardelli, autor de dez gols no campeonato, que está com distensão muscular.Mesmo que se recupere, Tardelli terá dificuldades para recuperar a posição. Luizão está na área. "Eu sou centroavante. Gosto de ficar perto do gol, lutando contra os zagueiros. Há pouca gente assim, hoje em dia. Por isso, tenho muito a dar ainda."É difícil, quase impossível, Leão escalar três atacantes. A não ser em situação perigosa, como a de quinta. E nesse caso, a tendência é que jogue Jean, de modo que o time consiga abrir o jogo pelas pontas. O técnico, que já é obrigado a escalar três zagueiros, não mudaria também o conceito de jogar com dois atacantes. Quando sai um zagueiro, a tendência é entrar um meia, como Marco Antônio ou Souza.Com o gol contra o The Strongest, Luizão chegou a 24 na Libertadores, aproximando-se de um recorde detido ainda por Palhinha, que marcou 25. Foram 20 pelo Cruzeiro (13 em 1976 e sete em 77), três pelo Corinthians (78) e dois pelo Atlético (81).Além deste último, Luizão fez 14 pelo Corinthians, no ano 2000, oito pelo Vasco (99) e um pelo Grêmio (2002). Ele é o maior artilheiro brasileiro em uma única edição da Libertadores, com os 14 gols feitos pelo Timão. E se aproxima de 500 jogos na carreira. São 496, com 245 gols marcados - quase um gol a cada duas partidas.A possibilidade de entrar para a história da Libertadores foi apontada por Luizão como um dos motivos por ter aceitado o convite do São Paulo, mesmo tendo uma oferta salarial melhor do Fluminense. Havia também a possibilidade de voltar ao Corinthians, clube que o jogador processa na Justiça por conta de uma dívida de R$ 8 milhões. Não houve acordo que resolvesse a pendência financeira e Luizão acabou no São Paulo.No início, havia uma desconfiança de Leão. Ele chegou a dizer que Luizão teria de treinar muito, pois estava com pernas finas e barriga grande. O atacante não reclamou, treinou bastante e já fez três gols em oito jogos. Só em três atuou o tempo todo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.