Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Dificuldade financeira atrapalha planejamento do Corinthians para 2020

Diretoria e comissão técnica já pensam a próxima temporada, mas esbarram na falta de dinheiro em caixa para fazer contratações

João Prata, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2019 | 15h52

O torcedor corintiano interessado em saber o planejamento do clube para a próxima temporada terá que dar um Google. Na entrevista coletiva após a derrota por 2 a 1 para o Cruzeiro, o técnico Fábio Carille se recusou a comentar o que diretoria e comissão técnica estão pensando para 2020.

O treinador tem contrato até o fim do ano que vem e a direção alvinegra garantiu sua permanência no cargo. "Já começamos o planejamento, já falamos sobre isso. Chega agosto, setembro, é normal começar a ver o outro ano. Já falei o que penso das nossas carências, não vou repetir novamente, a diretoria concorda, e estamos trabalhando em conjunto para melhorar", afirmou Carille.

A impaciência do treinador vem pela péssima sequência do time na temporada e também pela dificuldade financeira enfrentada pelo Corinthians. Em campo, são cinco jogos no Campeonato Brasileiro sem vitórias e a vaga para a Libertadores começando a ficar ameaçada. 

Fora dele, o déficit anual passa dos R$ 100 milhões, sem contar a dívida para pagar a arena. A Caixa Econômica Federal cobra na Justiça R$ 536 milhões referentes ao financiamento que não está sendo pago desde março - há ainda um valor milionário a ser pago para a Odebrecht.

Todos esses problemas, de certa maneira, contribuem para a permanência de Carille no comando da equipe. Sem dinheiro, o clube não tem como pagar a multa rescisória ao treinador e também tem dificuldades para trazer um substituto de nome. A busca por reforços caminha, mas caminha lentamente. No início do mês, o clube acertou com o atacante Matheus Davó, de 20 anos, que defende o Guarani na Série B.

ELENCO

A atual temporada mostra que apostar em jovens não será suficiente para poder brigar de igual para igual com Flamengo e Palmeiras. O time não tem um lateral-esquerdo em condições de ser titular. Danilo Avelar e Carlos Augusto demonstraram em inúmeras oportunidades a falta de qualidade técnica.

Carille, em entrevistas anteriores, disse que sente falta de um meia que chegue mais na área e chute no gol. O treinador cobra especialmente que Mateus Vital e Pedrinho façam essa função. A camisa 9 alvinegra também procura um dono. Gustagol deixou há tempos de justificar seu apelido e Boselli e o treinador parecem não se entender muito bem. 

Para os jogos que restam no Campeonato Brasil, Carille disse que os jogadores precisam melhorar fundamentos básicos como o passe, por exemplo, e também pressionar mais o adversário. Nos últimos dois jogos ele apostou em uma equipe diferente da que vinha jogando. "Minha ideia é fazer um time mais leve, com Pedrinho, Vital e Janderson, que chegue mais na área, era o objetivo das mudanças que fizemos", disse.

O Corinthians chega para a reta final com o objetivo de conquistar uma vaga na Libertadores. "Sei que trabalho muito, meu grupo trabalha demais. Mesmo com tantas dificuldades ainda estamos na parte de cima. Se melhorar, vamos continuar em cima e conseguir nosso objetivo". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.