Andre Dusek/ Estadao Conteudo
Andre Dusek/ Estadao Conteudo

Dilma diz que Brasil não precisa pagar para atrair Copa do Mundo

Presidente lembra que escolha do Brasil não está sendo investigada

Andrei Netto - Correspondente em Paris, O Estado de S. Paulo

08 de junho de 2015 | 18h18

A escolha do Brasil como país-sede da da Copa do Mundo de 2014 não foi decidida por corrupção. A garantia foi dada ontem pela presidente Dilma Rousseff, em entrevista à rede de TV France 24. Segundo a chefe de Estado, o Brasil não precisa pagar propinas para convencer os dirigentes da Fifa por ser o país que mais venceu copas do Mundo.

A corrupção no interior da federação internacional e também na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) foi o primeiro abordado na entrevista que foi ao ar ontem em todos os canais internacionais da emissora, que emite em francês, inglês e árabe. Questionada sobre o escândalo e sobre a eventual implicação em propinas aos dirigentes da Fifa, Dilma afirmou que existem "índicios fortes" de corrupção, mas argumentou que o caso "é ainda mais preocupante para o Brasil", já que o País é o que mais venceu copas do Mundo e que é apaixonado pelo esporte. 

"O país que ganhou o maior número de Copas do Mundo de todos os tempos, um país que fez a "copa das copas", não tem nenhum motivo para se engajar em qualquer processo de corrupção para trazer a Copa para o Brasil", sustentou. Dilma sustentou ainda que a população brasileira tem interesse que qualquer denúncia seja apurada, já que o evento de 2014 foi financiado pelos impostos dos cidadãos. "Tudo que disser respeito a essa investigação é do maior interesse do povo brasileiro, porque foi com os recursos do povo brasileiro que este processo ocorreu", lembrou.

Ainda assim, Dilma defendeu o legado do Mundial de 2014. "Foi gerado muito, muito dinheiro durante a Copa do Mundo, o que é bom para todo mundo, desde que seja de forma absolutamente transparente", frisou. "Caso não seja, pode ter certeza que o povo brasileiro tem todo interesse em saber quem é o responsável, quais são os responsáveis, puni-los e de fato garantir que o Brasil tenha um novo ambiente para o futebol."

A presidente lembrou que a Polícia Federal vem realizando investigações em paralelo às feitas pelo Escritório Federal de Investigações (FBI), nos Estados Unidos, e pelo Ministério Público da Suíça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.