Edgard Garrido/Reuters
Edgard Garrido/Reuters

Dilma diz que investigação na Fifa será benéfica ao País

Presidente da República está na Cidade do México em visita oficial

CLÁUDIA TREVISAN, ENVIADA ESPECIAL, CIDADE DO MÉXICO, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2015 | 13h59

A investigação promovida pelos Estados Unidos sobre a corrupção na FIFA levará a uma maior profissionalização do futebol brasileiro e será benéfica ao país, afirmou a presidente Dilma Rousseff na manhã desta quarta-feira na Cidade do México. A operação levou à prisão de sete dirigentes da entidade, entre os quais o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin.

A presidente disse que a investigação “é muito importante” e ressaltou que o governo brasileiro poderá colaborar com a Procuradoria de Justiça americana se houver solicitação nesse sentido. “Nós temos um acordo com eles. O Brasil e esses órgãos, a Procuradoria americana, o Departamento de Justiça, colaboram sistematicamente sempre que solicitado ou necessário.”

A presidente disse que deve haver investigação sobre a Copa do Mundo no Brasil, caso haja suspeita de irregularidade. “Eu acho que se tiver de investigar, investiga, em todas as Copas, todas as atividades. E isso vale para todos, desde a Operação Lava Jato até essa prisão. Há que investigar. Não vejo por que não.”

Como a CBF é uma entidade privada, os órgãos do Poder Executivo não teriam poder de investigá-la, observou Dilma. Segundo ela, é necessária uma alteração legislativa para permitir que organismos como a Controladoria-Geral da União apurem suspeitas de corrupção que não estejam ligadas diretamente ao setor público. “Tudo que foi na Copa do Mundo relativo a dinheiro nosso, nós temos total direito de investigar”, disse a presidente, sobre recursos públicos. Mas ela ressaltou que a Polícia Federal tem atribuição de apurar “qualquer ação inidônea no Brasil”.


Tudo o que sabemos sobre:
FutebolCBFFifaCorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.