Dilma ouve cobrança de Blatter sobre obras atrasadas da Copa de 2014

De última hora, a presidente Dilma Rousseff acrescentou na agenda desta quinta-feira um encontro com o presidente da Fifa, Joseph Blatter, em Londres, e ouviu do dirigente suíço que o Brasil precisa acelerar os preparativos para a Copa do Mundo de 2014. Blatter disse que há cidades marcadas em vermelho no cronograma de preparação.

PEDRO FONSECA, Reuters

26 de julho de 2012 | 14h34

Dilma, em visita à capital britânica por ocasião da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos na sexta-feira, também terá uma reunião nesta quinta com o chefe do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge. Assim como Blatter, é provável que Rogge faça um pedido à presidente para que as obras do Rio de Janeiro sejam aceleradas de modo a evitar atrasos na Olimpíada de 2016.

"Com certeza falamos sobre os atrasos em algumas das obras, isso não é novo, por sinal, na organização de Copas do Mundo", disse Blatter a jornalistas ao sair do encontro com Dilma no hotel onde a presidente está hospedada na capital britânica.

"Essa não é a minha primeira Copa do Mundo e tenho certeza que no fim tudo vai estar pronto, mas você tem que colocar um novo ritmo de velocidade de trabalho agora, deve ser maior, ou então não será bom."

"Em um ano teremos jogos da Copa das Confederações, e a Copa das Confederações não será apenas um ensaio, será uma das grande competições da Fifa e o Brasil precisa estar pronto", acrescentou ele.

Apesar de ter levantado a questão dos atrasos na reunião com Dilma, Blatter garantiu estar confiante na preparação brasileira para o Mundial.

"Ainda há algumas cidades marcadas em vermelhos, mas o que está vermelho pode virar amarelo e depois verde. Eu pessoalmente não estou preocupado com isso porque estou totalmente confiante que o Brasil fará uma grande Copa do Mundo", afirmou.

Levantamento das obras da Copa do Mundo divulgado pelo governo federal no final de maio mostrou que quase 41 por cento ainda não saíram do papel. A maior parte dos atrasos está concentrada nas obras de mobilidade urbana e, numa vista recente ao Brasil, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, disse que algumas poderiam nem mesmo ficar prontas desde que os estádios estivessem concluídos.

Para tentar reverter os atrasos, a Fifa decidiu incluir, no começo de maio, um membro do governo federal no comitê organizador da Copa. Segundo Blatter, a partir da mudança na estrutura da organização, os preparativos passaram a funcionar melhor.

"Desde esse dia até agora, devo dizer, os trabalhos estão em progresso nos estádios, nos aeroportos, nas rodovias e nos hotéis. Ainda há muito a fazer, mas eu diria à presidente (Dilma) Rousseff, sim, vocês estão no caminho certo porque a Copa do Mundo de 2014 precisa ser um grande sucesso."

Tudo o que sabemos sobre:
COPADILMABLATTER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.