Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Diniz admite partida ruim do São Paulo em derrota para o Cruzeiro

Técnico teve seu primeiro revés no comando da equipe tricolor na noite desta quarta-feira, no Mineirão

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2019 | 00h11

O técnico Fernando Diniz admitiu que o São Paulo fez uma partida ruim na derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro, na noite desta quarta-feira, no Mineirão. Com o resultado, a equipe tricolor permaneceu na quinta colocação do Campeonato Brasileiro, com 43 pontos.

O São Paulo sofreu o fol de Thiago Neves aos 12 minutos do segundo tempo. No intervalo, Diniz colocou Liziero na vaga de Juanfran, deslocando Daniel Alves para a lateral-direita. Para o treinador, o time melhorou na parte final da partida.

"Um dos fatores principais foi a boa marcação do Cruzeiro, que soube pressionar bastante e usar a energia de jogar em casa. O Cruzeiro tirou um pouco da nossa saída e marcou muito bem. Nosso time não conseguiu jogar no primeiro tempo. Nos defendemos bem, mas não criamos. Depois das mudanças, ganhamos mobilidade e fomos melhorando aos poucos, principalmente após tomar o gol. O time teve mais ritmo, ofensividade e mobilidade. Tinha de buscar o empate e acho que melhorou por causa desses fatores", afirmou Diniz.

Foi a primeira derrota do treinador à frente do São Paulo. Antes da partida no Mineirão, ele vinha de duas vitórias e dois empates no comando da equipe. Para Diniz, apesar do resultado diante do Cruzeiro, o time já entendeu sua filosofia.

"Se analisar pelo jogo contra o Cruzeiro, sim (precisa de tempo). Mas pelos jogos contra Corinthians, Bahia e Fortaleza, não. Hoje fizemos uma partida abaixo do que vínhamos produzindo. Agora temos de melhorar para as próximas partidas e temos de trabalhar para isso", analisou o treinador.

"Vamos melhorar. Todos estão conscientes disso. Agora é pensar para frente. De fato ficamos muito a desejar na ofensividade e no controle do jogo, de ter a posse, que é a característica do time", acrescentou Diniz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.