Twitter / São Paulo FC
Twitter / São Paulo FC

Diniz afirma que transição da diretoria do São Paulo foi 'amistosa' e exalta Muricy

Treinador diz que mudança no comando do clube não prejudicou o ambiente do time

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2021 | 05h00

O São Paulo iniciou 2021 com um novo presidente, Julio Casares, que venceu a eleição no dia 12 de dezembro e substituiu Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Embora Casares tenha assumido a presidência no primeiro dia deste ano, a transição já vinha ocorrendo entre o ex-presidente e o atual mandatário desde o pleito. Para o técnico Fernando Diniz, a mudança foi "amistosa" e não prejudicou o ambiente do time.

"A transição está sendo bem feita, de maneira amistosa, isso não está tendo nenhum problema. Estão integrados e ajudando, fazendo o que podem, sendo positivos no ambiente", afirmou o treinador. 

Além do presidente, houve outras trocas na diretoria. O gerente de futebol Alexandre Pássaro e superintendente de relações institucionais Diego Lugano deixaram o clube. Muricy Ramalho assumiu como coordenador técnico e o novo diretor Carlos Belmonte também tem frequentado o CT da Barra Funda. Raí acertou sua permanência até o fim da temporada em fevereiro.

A presença de Muricy Ramalho no dia a dia foi elogiada por Fernando Diniz. O ex-treinador e comentarista passou a frequentar o CT da Barra Funda há uma semana e assistiu nas cadeiras do Morumbi à derrota por 1 a 0 para o Santos.

"O Muricy já fez no passado, está fazendo algo positivo e vai continuar fazendo. A presença dele só beneficia o São Paulo em todos os sentidos. Temos conversado, ele tem ido aos treinamentos. Foi um grande acerto da nova diretoria, acerto gigante, em cheio. Estamos muito felizes com o Muricy. Só a presença dele já anima os jogadores, é um grande campeão. Mais do que isso, tem um grande caráter. Todos os jogadores que estão aqui sabem disso", disse Diniz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.