Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Diniz prevê dar novas chances a jovens do Santos e defende laterais

Zagueiro Kaiky e atacante Ângelo foram novidades da equipe no empate sem gols com o Sport

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2021 | 05h00

Jogadores mais jovens do atual elenco santista, o zagueiro Kaiky e o atacante Ângelo devem ganhar nova chance no time paulista na sequência do Brasileirão. Ao menos é o que promete o técnico Fernando Diniz, sem garantir vaga entre os titulares. Os dois jogadores perderam espaço desde a chegada do treinador ao Santos, no início de maio.

Kaiky tem 17 anos e Ângelo, 16. Sob o comando de Ariel Holan, eles vinham recebendo seguidas chances, até mesmo entre os titulares. Com Diniz, o jovem atacante não entra em campo há seis jogos. Na noite de quarta-feira, no empate sem gols com o Sport, na Vila Belmiro, o treinador preferiu a maior experiência de Lucas Venuto, de 26 anos.

Venuto entrou para reforçar o ataque, numa noite de pouca inspiração do setor ofensivo santista. A equipe terminou a partida com quatro atacantes em campo. E com raras chances de perigo criadas ao longo dos 90 minutos. Outra opção no segundo tempo foi Marcos Leonardo, de 18 anos.

"O Ângelo é fenômeno como o Kaiky, jogadores que nasceram em 2004 e foram titulares, inclusive comigo. A tendência é de evoluírem. Venuto entrou porque treinei nessa situação da lateral, por isso ele entrou e não o Ângelo. Não gosto de fazer no jogo algo que não treinei. Tínhamos que tentar fazer o gol, mas sem tomar. Como treinei nessa variação do Venuto como lateral, me senti mais seguro de colocá-lo", comentou Diniz.

Para Diniz, o atacante de 16 anos não deve se preocupar com as poucas chances que vem recebendo nas últimas semanas. "Ângelo tem futuro brilhante e estamos de olho nele", garantiu o treinador, sem esconder a insatisfação com a fraca apresentação da equipe, principalmente na armação.

"Faltou um pouco de inspiração hoje", reconheceu. "Jogar contra dez marcando baixo dificulta para qualquer time, mas a equipe hoje esteve mais perto de ganhar do que contra o Juventude. Vamos nos treinamentos, com maior entrosamento, melhorar para vencer em cenário parecido com esse."

O treinador indicou ainda que deverá manter os laterais Pará e Felipe Jonatan na equipe, apesar das atuações abaixo do esperado nos últimos jogos. Na quarta, ambos foram substituídos ao longo da partida.

"Os dois jogadores jogam porque acho que são bons, úteis e às vezes tentamos direcionar resultados ruins a determinados jogadores, mas não acho que seja o caso. Pelo contrário. Felipe Jonatan é jovem talentoso e Pará é experiente, sempre foi titular onde passou e tem qualidade. São dois ótimos jogadores que o Santos tem."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.