Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Diniz valoriza vitória do São Paulo em Chapecó: 'Não ganhamos de um time frágil'

Técnico elogia a Chapecoense e aprova mudança na postura da equipe após derrota perante o Palmeiras no meio da semana

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2019 | 00h12

O técnico Fernando Diniz gostou da maneira como o São Paulo venceu a Chapecoense neste sábado, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. A equipe fez 3 a 0 e chegou aos 52 pontos na competição, dentro do G-4 e se recuperando da derrota do meio de semana diante do Palmeiras, também fora de casa.

"Temos de valorizar muito a vitória, porque a Chapecoense venceu por 2 a 0 do Atlético-MG, empatou com Fluminense e perdeu por 1 a 0 do Flamengo num jogo que poderia não ter perdido. Não ganhamos de um time frágil. Estão em momento difícil na tabela, mas vieram de bons jogos", comentou o técnico Fernando Diniz, elogiando o time principalmente no primeiro tempo.

"Fomos agressivos na posse de bola e na marcação. Conseguimos gol de maneira merecida, fizemos dois e poderíamos ter feito mais. No segundo tempo, baixamos a marcação. Tínhamos de ter defendido melhor e não poderíamos ter cedido chances para Chapecoense. De maneira geral gostei, mas tem margem para melhorar", continuou.

Diniz aprovou a mudança de postura da equipe e gostou do fato de os jogadores não terem ficado totalmente satisfeitos com seus desempenhos. "Podíamos ter feito melhor. Cedemos chances para Chapecoense no segundo tempo, mas é importante aproveitar o resultado. O time de fato jogou bem, mas pode melhorar porque temos muito a crescer", disse.

O treinador também gostou do desempenho do volante Jucilei, que foi reintegrado ao elenco após sua chegada e voltou a atuar após mais de seis meses longe dos gramados. "Ele foi ótimo, como nos treinamentos. Reproduziu exatamente o que fez nos treinos e o que conhecia do Jucilei", explicou Diniz, aproveitando para elogiar seu atleta, que deve receber novas chances.

"Sempre achei um jogador primoroso, grande e que impõe respeito. Tem facilidade para achar passes no meio das linhas e tem bola longa. Fiquei muito feliz com a volta dele. Não fiz mais do que a obrigação de colocar para jogar. Chegou bem nos treinos e se destacou em todos treinos. Por isso saiu jogando e ajudou muito o time", afirmou.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.