Rodrigo Gazzanel/ Agência Corinthians
Rodrigo Gazzanel/ Agência Corinthians

Diretor corintiano admite jogo de cena e garante Carille até o fim do Paulistão

Flávio Adauto afirma que mudança se deu pelo fato do clube não desejar esperar por Reinaldo Rueda

Daniel Batista, Estadão Conteúdo

22 de dezembro de 2016 | 15h22

Fábio Carille foi efetivado nesta quinta-feira como novo técnico do Corinthians. A confirmação acontece dias depois de a diretoria alvinegra descartar qualquer possibilidade de colocá-lo no cargo. Segundo o diretor de futebol, Flávio Adauto, a mudança de rumo se deu pelo fato de o clube não desejar esperar por Reinaldo Rueda, que passará por cirurgia em janeiro e ficará no Atlético Nacional, de Medellín. Ainda segundo o dirigente, foi preciso "esconder" algumas informações dos jornalistas em relação à aposta em Carille.

Logo após a demissão de Oswaldo de Oliveira, Flávio Adauto assegurou que o Corinthians buscava um técnico brasileiro que já havia feito bons trabalhos no País. Além disso, o presidente Roberto de Andrade descartou a efetivação de Carille de imediato. Nesta quinta, no entanto, o diretor de futebol garantiu que o único técnico procurado foi o colombiano Reinaldo Rueda, do futebol colombiano. Em função da sua recusa, o Corinthians decidiu efeticar Carille, mas somente até o fim do Paulistão, que acaba em maio. A diretoria garantiu que não pretende demiti-lo antes disso, como fez nesta temporada em três ocasiões com outros técnicos.

"Mentir, não mentimos, mas a partir do momento que jogamos aberto sobre algumas possibilidades, prejudicamos o clube. Quando digo que não posso falar, é uma situação. Se puder esconder para que o Corinthians economize um real, eu farei isso. Se divulgar, pode inviabilizar o negócio", tentou explicar o dirigente, que depois admitiu ser necessário omitir alguns fatos da mídia.

O dirigente nega que tenha feito qualquer contato com Guto Ferreira, Jair Ventura, Paulo Autuori e outros nomes comentados recentemente para substituir Oswaldo de Oliveira, embora os treinadores consultados tenham afirmado, direta ou indiretamente, que foram procurados por representantes do Corinthians. "Respeito todos esses técnicos, mas não houve interesse em nenhum deles", desconversou Adauto.

Ao lado do gerente de futebol, Alessandro Nunes, e do novo técnico, Fábio Carille, o dirigente tentou justificar as contradições da diretoria nos últimos meses. Vale lembrar que, após a demissão de Cristóvão Borges, o clube anunciou a efetivação de Carille até o fim da temporada. Cinco jogos depois, contratou Oswaldo de Oliveira e 'retornou' o auxiliar para seu posto de origem.

"Naquela ocasião, o presidente Roberto de Andrade disse que ele seria o técnico até o fim do ano, mas as circunstâncias fizeram com que a gente tivesse de mudar de rumo. Ele será o técnico do Corinthians e não precisamos contar nada do que acontece aqui dentro, pois ele sabe de tudo. A gente estava esperando pelo Rueda, mas ele não poderá vir. Então, acreditamos que o Fábio Carille é o nome ideal para o momento", comentou Adauto.

ATÉ O FIM DO PAULISTÃO

O diretor de futebol ainda assegurou que Carille ficará, pelo menos, até o fim do Campeonato Paulista, independentemente dos resultados do time na competição. "Dá para garantir isso, sim. Estamos pensando no tempo, número de jogos que ele terá em 2017. Ele fez alguns jogos como técnico e tem os melhores números desde a saída do Tite", justificou.

Carille está no clube desde 2009. Nesta temporada, ele comandou o time por oito jogos. Foram quatro vitórias, um empate e três derrotas. Ele deverá anunciar nos próximos dias um novo preparador físico e seu auxiliar técnico, que deve ser Osmar Loss, atual técnico do time do Corinthians que irá disputar a Copa São Paulo em janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.