Diretor da Conmebol nega acusações de jornal: 'Falsa'

Gorka Villar emite nota negando que tenha destruído provas

O Estado de S. Paulo

31 de dezembro de 2015 | 18h13

Após ser acusado pelo jornal paraguaio "ABC Color" de ter entrado na sede da Conmebol durante a madrugada e destruído provas,  o diretor-geral da entidade, Gorka Villar emitiu uma nota rechaçando as informações do períodico e dizendo que não lhe foi concedido o direto de se posicionar, "ao contrário do que prega o bom jornalismo". 

"É completamente falsa a afirmação de que tenha ocorrido qualquer irregularidade em relação aos arquivos da Conmebol, como descrito equivocadamente pelo Diario ABC Color. Não roubei nem queimei arquivos, atitudes que não combinam com meu caráter, minha história e minha trajetória na vida e no futebol", escreve no comunicado.

Confira na íntegra a nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO CONMEBOL

Ao contrário do que foi publicado em um veículo paraguaio na última terça-feira, informo que continuo exercendo com absoluta normalidade o cargo de diretor-geral da Conmebol.

Junto com os membros de minha equipe e com os diferentes assessores jurídicos que assistem a entidade, tenho colaborado ativa e decididamente com as investigações judiciais em curso, preservando e colocando à disposição desde o início toda a documentação em posse da Confederação Sul-Americana de Futebol.

Desta forma, é completamente falsa a afirmação de que tenha ocorrido qualquer irregularidade em relação aos arquivos da Conmebol, como descrito equivocadamente pelo Diario ABC Color. Não roubei nem queimei arquivos, atitudes que não combinam com meu caráter, minha história e minha trajetória na vida e no futebol.

Sobre o fato de terem me visto na instituição à noite, esclareço que meus horários de trabalho respondem estritamente às necessidades da entidade, para a qual dedico o tempo necessário para que o futebol sul-americano siga como protagonista.

Em relação à remuneração pelo cargo de diretor-geral, reafirmo que recebo exclusivamente os valores que correspondem, contratualmente, ao exercício dessa função.

Atualmente, todas as operações financeiras da Conmebol encontram-se submetidas a rigorosos controles por meio de serviços independentes de auditoria contratados pela entidade.

Todos esses fatos são comprovados pelo conhecimento e pela participação direta do assessor jurídico, o advogado Alfredo Montanaro, e de toda a diretoria da Conmebol.

Entendi como fundamental fazer este comunicado porque não me foi dado pelo veículo o direito ao Outro Lado, ao contrário do que prega o bom jornalismo, nem são sabidos os interesses do diário em um momento pré-eleitoral na Conmebol.

Sigo à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos e me mantenho totalmente empenhado para colaborar com o crescimento do futebol sul-americano, dentro dos princípios éticos que sempre nortearam meu trabalho.

Gorka Villar

Diretor-geral da Conmebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.