Denis Balibouse/Reuters
Denis Balibouse/Reuters

Diretor do City prevê dificuldade contra Schalke: 'Alemães são sempre perigosos'

Equipe de Manchester avançou às oitavas de final após liderar o Grupo F e pega um rival em crise

Estadão Conteúdo

17 Dezembro 2018 | 14h22

O Manchester City conheceu nesta segunda-feira seu adversário nas oitavas de final da Liga dos Campeões. O sorteio realizado em Nyon, na sede da Uefa, definiu o Schalke 04 como rival dos time inglês. Apesar da má fase do adversário e do amplo favoritismo dos comandados de Pep Guardiola, o diretor de futebol Txiki Begiristain previu bastante dificuldade diante dos alemães.

"É sempre assim neste estágio. As coisas começam a ficar ainda mais difíceis a partir de agora. Times que estão sofrendo em suas ligas ainda conseguem ir muito bem na Liga dos Campeões. O Schalke será muito difícil. Depois de uma pausa de inverno, os clubes alemães são sempre muito perigosos", declarou.

O City avançou às oitavas de final após liderar o Grupo F da competição. Por isso, terá a vantagem de decidir o confronto em casa, no dia 12 de março. Antes, as equipes iniciam o duelo em Gelsenkirchen, em 20 de fevereiro. Para Begiristain, o time inglês precisa fazer valer a força de sua torcida na volta.

"É sempre importante terminar na ponta do grupo porque você tem a vantagem de jogar a segunda partida em casa. Os times alemães são muito fortes, cheios de energia. Primeiro, precisamos pensar no Schalke e, então, pensar nas próximas fases. Estivemos nas semifinais uma vez, então passamos perto", apontou.

Do outro lado, o técnico Domenico Tedesco sabe a dificuldade que o Schalke vai encarar, até pelo péssimo momento na temporada. Mas o comandante do 13.º colocado do Campeonato Alemão pediu que seu time atue "sem medo" diante do adversário.

"Estamos ansiosos para as partidas contra o Manchester City. É um adversário realmente atrativo para nós e nossos torcedores. Somos franco atiradores, mas vamos entrar no duelo sem qualquer medo. De toda forma, vamos tentar de tudo para talvez trazer uma surpresa", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.