Miguel Rojo/AFP
Miguel Rojo/AFP

Diretor do Corinthians explica que Yony González será comprado em definitivo

Jogador já passou por exames médicos na sede do clube e deve ser anunciado até o fim da semana

Redação, Estadão Conteúdo

06 de fevereiro de 2020 | 08h56

O diretor de futebol do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, confirmou o acordo com o Benfica pelo atacante Yony González. No entanto, o dirigente explicou que o houve uma modificação na forma do negócio. No primeiro momento, o colombiano chegaria por empréstimo com obrigação de compra caso ele fizesse mais de 30 jogos. Agora, o time paulista será obrigado a comprar 50% do passe após o fim do empréstimo, no meio do ano, sem qualquer relação com o número de partidas feitas.

"O Benfica acabou recebendo propostas de compra, então a gente teve que mudar o formato do negócio. No meu entendimento, é um jogador que tem muito para agregar e melhorar o ataque", justificou o corintiano após a derrota por 1 a 0 da equipe paulista para o Guaraní, no Paraguai, em jogo válido pela segunda fase preliminar da Copa Libertadores.

Duílio não revelou os valores da transferência, mas explicou que o pagamento será parcelado em três anos. O jogador está avaliado pelo Benfica em 6 milhões de euros, desta forma o time alvinegro teria de pagar 3 milhões de euros pela metade do passe do atleta.

"Ele foi uma oportunidade. Tentamos o empréstimo até o fim do ano, mas agora é um empréstimo com obrigação de compra. Não descartamos oportunidades, mas, hoje, podemos dizer que estamos satisfeitos com o elenco que temos", afirmou o dirigente.

Quinto reforço do Corinthians para a temporada, Yony González passou por exames médicos no Parque São Jorge, sede do clube em São Paulo, e deve ser anunciado até o final de semana. A negociação, segundo o clube, não tem relação com as conversas sobre a venda de Pedrinho ao Benfica.

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansYony González

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.