Ian Langsdon/ EFE
Ian Langsdon/ EFE

Diretor do Corinthians volta a procurar Rony e revela que sondou Neymar e Cavani

'O Corinthians é muito grande, mas os números eram inviáveis', disse Duílio Monteiro Alves

Redação, Estadao Conteudo

28 de janeiro de 2020 | 14h08

O diretor de futebol do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, admitiu nesta terça-feira que procurou novamente os representantes do atacante Rony, do Athletico-PR, mas que considera o negócio inviável para o clube por causa dos valores envolvidos na transação. Ele também relevou que sondou Neymar e Cavani, ambos do Paris Saint-Germain.

Sobre Rony, o dirigente conversou com o advogado Carlos André Lopes para tomar conhecimento do andamento da situação do jogador. O Palmeiras também está na briga para contratá-lo. "O Corinthians não fez proposta e não vai gastar esse dinheiro. Foi uma consulta para ver se algo tinha mudado. Tínhamos feito uma consulta no início de dezembro (do ano passado), quando soubemos os valores. E como não havia saído nenhum negócio até segunda-feira, fizemos uma consulta para ver se tinha condição, se tinha mudado algo", afirmou Duílio, em entrevista à Rádio Transamérica.

O Athletico-PR quer 6 milhões de euros (R$ 27,82 milhões) por 50% dos direitos econômicos do atacante. Destaque da equipe na conquista da Copa do Brasil e na campanha do Campeonato Brasileiro, Rony foi afastado do elenco principal e está treinando com o time de Aspirantes até que sua situação seja resolvida.

"Os valores não mudaram, o Athletico exige os mesmos números. Não entramos na negociação e não vamos entrar. O Corinthians não está disposto a fazer um investimento deste tamanho. Nestes valores, não interessa", explicou Duílio.

Na mesma entrevista, o diretor de futebol comentou sobre ter sondado  Neymar e Cavani. "Temos de buscar o melhor para o Corinthians. Vocês não tinham a informação que o Cavani queria jogar no futebol Sul-Americano? Eu tenho que ir atrás, por que não? Neymar também saiu um boato que poderia ser emprestado e que o Flamengo poderia ser opção, fui olhar a condição", revelou Duílio.

"O Corinthians é muito grande, mas os números eram inviáveis. Estou dando exemplos extremos para vocês entenderem como é o meu trabalho diário", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.