Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Diretor do Palmeiras minimiza briga em treino e elogia treinador

Alexandre Mattos garante que ambiente no elenco é bom e defende o trabalho de Eduardo Baptista

O Estado de S. Paulo

26 de abril de 2017 | 17h31

O diretor de futebol do Palmeiras, Alexandre Mattos, deu entrevista ao canal ESPN Brasil nesta quarta-feira, diretamente de Montevidéu, e amenizou as polêmicas dos últimos dias sobre o ambiente do clube. O dirigente garantiu que não há brigas internas no elenco, afirmou que tem confiança no trabalho do técnico Eduardo Baptista e disse que o atacante colombiano Miguel Borja vai se recuperar das atuações ruins.

No treino de terça, em Montevidéu, o volante Felipe Melo deu uma bronca no atacante Róger Guedes, em discussão mostrada por imagens da Rede Globo. "Assim fica difícil, meu irmão. Tá falando pra c…, me respeita. Você é moleque, me respeita, p…! É moleque", disse o jogador. Para Mattos, o episódio é corriqueiro. "Foi uma colocação do Felipe para o Roger e assunto encerrado. Esse tipo de situação é absolutamente diário e corriqueiro em qualquer clube do mundo. Isso não entrou nem um pingo aqui dentro. Foi um treinamento super produtivo e organizado", explicou.

O dirigente lembrou que nos tempos em que trabalhou no Cruzeiro, quando foi bicampeão brasileiro, também conviveu com ambientes conturbados. "Fui bicampeão brasileiro no Cruzeiro cheio de discussões, mas muitas. Fomos campeões brasileiros em 2016 com muitas discussões", disse.

Mattos garantiu que a eliminação no Campeonato Paulista não afeta a avaliação sobre o trabalho do técnico. "O Eduardo sabe que tem a liberdade de fazer o que bem entender e os atletas desde o começo entenderam que ele é o comandante. Quando o Palmeiras que nós tanto sonhamos perde um jogo, para muitos é inexplicável. O que devemos fazer é passar tranquilidade e confiança", afirmou.

O diretor palmeirense saiu em defesa de Borja, que deixou o campo vaiado no Allianz Parque, no sábado. "Temos que pedir um pouco de entendimento. Mas precisamos entender que chegou a um país diferente, com uma língua diferente. É um menino muito do bem, que está ainda encontrando seu espaço", comentou. O colombiano tem 11 partidas e quatro gols pelo clube alviverde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.