Diretor também deixa o Palmeiras

Mario Giannini, diretor de Futebol desde 2003, quando o Palmeiras disputou a Série B do Campeonato Brasileiro, está fora. Oficialmente, a versão apresentada pela diretoria é de que o dirigente pediu afastamento por tempo indeterminado por questões médicas. Nos bastidores, porém, o que se comenta é que a saída do diretor faz parte da reformulação no Departamento de Futebol, que começou com a saída do técnico Candinho e do preparador físico Moraci Sant?Anna. ?Ele (Giannini) me procurou ontem (sexta) e pediu afastamento por questões médicas?, disse o presidente Afonso Della Monica.O dirigente, no entanto, não soube dizer se Giannini reassumirá suas funções no Departamento de Futebol, o que acabou aumentando ainda mais as suspeitas de um provável corte. ?A volta vai depender muito da atuação médica?, despistou o dirigente.MUSTAFÁ - As suspeitas de que Mario Giannini seria afastado começaram a ganhar corpo na quinta-feira à noite, no Parque Antártica. Homem de confiança do ex-presidente Mustafá Contursi, Giannini teria sido vítima da guerra surda entre o próprio Mustafá e o atual presidente Della Monica, que luta de todas as formas para se livrar definitivamente do vínculo com o ex-todo-poderoso dirigente do Palmeiras.Para se fortalecer, Della Monica uniu-se com o primeiro vice-presidente, José Cyrillo Júnior, que na gestão de Mustafá Contursi era o segundo vice-presidente e até hoje não perdoa o ex-companheiro de diretoria por não ter apoiado sua candidatura na última eleição.Consta que no episódio da saída de Giannini a opinião de Cyrillo teve peso fundamental. A decisão por seu afastamento justamente atinge Mustafá, que hoje é o presidente do Conselho Deliberativo.Quanto ao discurso oficial, de que a iniciativa de pedir afastamento partiu do próprio Mario Giannini, a estratégia é característica da atual diretoria do Palmeiras.Oficialmente, o técnico Candinho e o preparador físico Moraci Sant?Anna também se demitiram. Mas enfrentaram o mesmo processo de ?fritura? que Giannini sentiu na pele.As próximas vítimas devem ser os médicos Vinícius Martins e Flávio Rossetti. Para ?fritá-los?, a diretoria procura um novo chefe para comandar o departamento.

Agencia Estado,

23 de abril de 2005 | 19h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.