Diretoria corintiana nega saída de Juninho

Após a derrota por 1 a 0 no clássico diante do São Paulo, tanto o vice-presidente de futebol do Corinthians, Antonio Roque Citadini, como o vice-presidente de esportes terrestres, Andres Sanches, bancaram a permanência do técnico Juninho à frente do time. ?Eu não tenho informação nenhuma em relação à essa história de o Juninho sair. Ele é o técnico do Corinthians?, afirmou Andres Sanchez. Citadini aproveitou para provocar. ?Isso (a demissão) é coisa da imprensa. Vocês não falaram que o Juninho está demitido. Então, não preciso falar mais nada?, disse o dirigente.A sensação é de que os cartolas corintianos agiram motivados mais por uma birra em relação ao comportamento da mídia do que por confiança no trabalho da atual comissão técnica. Durante a semana, foi dado como certo que Juninho seria afastado do cargo se perdesse mais uma partida. O próprio Juninho saiu de campo assustado neste domingo. Não deu entrevistas no intervalo, nem no final do jogo. Só falou com os repórteres depois de se reunir com os dirigentes, no vestiário do Morumbi. Ao saber que ainda não estava oficialmente fora do Corinthians, foi para a sala de imprensa disposto a responder só as perguntas sobre o jogo em si. ?Não falo sobre o outro assunto (a demissão)?, avisou o treinador. Alguém perguntou se ele estava tranqüilo. Juninho negou: ?Não estou tranqüilo, mas disse a verdade. Na terça-feira vou me reapresentar como técnico do Corinthians.?Na entrevista coletiva, no vestiário corintiano, Juninho Fonseca descartou a hipótese de um pedido de demissão. O treinador afirmou que tem procurado ignorar as pressões do cargo. ?Minha posição é absolutamente profissional. Vim para o jogo com o intuito de dar o melhor para o Corinthians. Não vou mudar o meu comportamento?, defendeu-se.O técnico passou a dar respostas curtas quando questionado sobre sua possível saída do clube. Você se sente ameaçado? ?Não?. Você vai pedir demissão? ?Não?. Mas Juninho deixou o Morumbi sabendo que sua situação no Corinthians continua dramática.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.