Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Diretoria do Palmeiras 'blinda' elenco de briga nos bastidores

Elenco evita tratar em entrevistas polêmica sobre final do Campeonato Paulista e é cobrado para focar no Brasileiro

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

15 Abril 2018 | 07h00

O Palmeiras praticamente se dividiu em duas frentes nos últimos dias. Enquanto a diretoria se empenha na discussão com a Federação Paulista de Futebol (FPF), o departamento de futebol foi blindado do assunto. Os jogadores e o técnico Roger Machado foram orientados a não falar publicamente sobre o tema para não perderem o foco e criarem possíveis prejuízos ao assunto, com novas polêmicas.

+ Rompido com a FPF, Palmeiras enche os cofres da entidade

+ Patrocinadora assume camarote devolvido por FPF

Na última quarta-feira, logo depois do jogo com o Boca Juniors, os jogadores falaram na zona mista e se esquivaram do tema. A resposta da maioria foi que o pedido de anulação da partida com o Corinthians por suspeita de interferência externa é um problema da diretoria, e não do time. "Nosso papel é em campo e resolver o jogo. O resta a gente deixa para o jurídico, para o presidente. Nossa missão é trabalhar para fazer bons jogos", afirmou o atacante Dudu.

Na Academia de Futebol o cotidiano permanece tranquilo e alheio à movimentação nos bastidores. O Palmeiras abriu o conflito ao se declarar rompido com a FPF e depois divulgar um vídeo para tentar comprovar a interferência externa. A entidade devolveu os ataques com a devolução do camarote que mantinha no Allianz Parque.

Na sexta-feira, o técnico palmeirense Roger Machado disse não saber da existência do julgamento no dia 23, quando será avaliada toda a polêmica no Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP), e garantiu que o elenco não se envolve mais com assuntos relativos ao clássico. "No dia a dia você remobiliza o elenco. O futebol nos permite a cada três dias mudar sua história. Agora, imagino como não é para um atleta olímpico, que espera quatro anos", analisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.