Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Palmeiras espera receber boa proposta para negociar Allione

Meia argentino já disse que deseja deixar o clube

DANIEL BATISTA, Estadão Conteúdo

21 de dezembro de 2015 | 07h17

O meia Allione já disse publicamente que não quer ficar no Palmeiras, mas isso é insuficiente para o presidente Paulo Nobre. O dirigente espera por uma boa proposta para fazer negócio com o argentino, que custou R$ 6 milhões ao clube, valor pago ao Vélez Sarsfield.

"Negócio vai surgir quando aparecer coisa boa para os dois lados. O jogador pode querer ir embora, mas se ninguém quer contratá-lo, vou pegar todo o dinheiro gasto e jogar para o alto? Respeito a vontade do atleta, mas tenho que respeitar o clube", disse Nobre, em entrevista ao Estado.

O dirigente trata a situação de Pablo Mouche, outro a declarar a intenção em sair, de forma igual. O Rosario Central quer Allione, mas ainda não fez uma proposta que agradasse aos palmeirenses.

O clube argentino fez duas propostas que foram recusadas. A mais recente é levar Allione por empréstimo até o fim da Libertadores, com o Palmeiras ajudando no pagamento do salário.

Enquanto ensaia o adeus de Allione, a direção define os detalhes para anunciar a contratação do meia Moisés, do Rijeka, da Croácia, e o do volante Jean nos próximos dias. Moisés chegou neste domingo ao Brasil e Jean aguarda o acerto entre Palmeiras e o clube carioca.

O Palmeiras deve pagar cerca de 1 milhão de euros (aproximadamente R$ 4,2 milhões) pelo jogador, que trabalhou com Alexandre Mattos no América-MG em 2009, quando foram campeões da Série C do Campeonato Brasileiro. O meia também teve passagens por Boa, Sport, Coritiba, Rioverdense, Toledo e Portuguesa, na qual apareceu com destaque em 2012 e chegou a despertar interesse de grandes clubes do Brasil.

Até o momento, o Palmeiras já anunciou como reforços para 2016 o goleiro Vagner (Avaí), o zagueiro Roger Carvalho (Botafogo), o volante Rodrigo (Goiás) e o meia Régis (Sport).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasAllione

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.