JF Diorio|Estadão
JF Diorio|Estadão

Diretoria do São Paulo precisa intervir e descobrir onde está o erro, diz Maicon

'As coisas não estão acontecendo como gostaríamos'

Vitor Marques, Estadão Conteúdo

25 Agosto 2016 | 00h14

O São Paulo entrou em crise após a derrota por 2 a 1 para o Juventude, em casa, no primeiro jogo das oitavas de final da Copa do Brasil. O time deixou o campo sob vaias e protestos da torcida e o clima no Morumbi ficou pesado, depois do revés para o rival que disputa a Série C do Campeonato Brasileiro.

"A diretoria tem que começar a intervir e descobrir onde está o erro", afirmou o zagueiro e capitão do time Maicon. "As coisas não estão acontecendo como gostaríamos. E quando você não vê o resultado, temos de ver onde a está a ferida."

Já o meia Michel Bastos evitou falar em crise, mas admitiu que o momento do time não é bom. "Não quero entrar em polêmica, mas a situação não é boa", disse o jogador. Foi assim que ele deixou o campo após a inesperada derrota do São Paulo para o Juventude no primeiro jogo d

as oitavas de final.

A torcida vaiou a equipe, pedindo "raça" e "vontade" durante todo o segundo tempo. Os protestos, que também tinham como alvo membros da diretoria, aumentaram após o segundo gol do Juventude. O resultado complicou a vida do São Paulo na competição. Agora será preciso vencer por dois gols de diferença na partida de volta, em Caxias do Sul, no dia 21 de setembro.

No Brasileirão, o São Paulo faz campanha irregular e ocupa apenas a 11ª posição, com 27 pontos. No domingo, o time enfrenta o Coritiba no Morumbi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.