Diretoria exige e Rojas se desculpa

Roberto Rojas atendeu prontamente a uma exigência da diretoria e garantiu, pelo menos até quinta-feira, seu cargo no São Paulo. Juvenal Juvêncio, diretor de Futebol, reuniu-se com o treinador, no CT, pouco antes do início do treino, e lhe pediu que explicasse as declarações dadas na noite de sábado, de que uma derrota para o Goiás era previsível. Rojas, meio constrangido, desculpou-se em frente a vários microfones de rádio e televisão, mas não escondeu o descontentamento com o tema. ?Quero deixar claro que a colocação foi de responsabilidade minha, me expliquei mal. Já pedi desculpas para a diretoria e para o torcedor, não vou mais falar disso.? O técnico são-paulino preferiu não prosseguir no assunto, apesar das insistentes perguntas dos repórteres. Disse que o fato de ser chileno e de ter dificuldades para falar o português correto não foi responsável pelo comentário infeliz. Juvêncio, que achou que Rojas menosprezou o São Paulo na entrevista de sábado após a derrota por 3 a 1 para o Goiás, perguntou, também, quais os motivos para o time estar jogando tão mal. No encontro, foram discutidos problemas no elenco, mas, em nenhum momento, foi falado sobre uma possível troca no comando. O presidente Marcelo Portugal Gouvêa voltou a dizer, nesta segunda-feira, que não garante a permanência de Rojas até 31 de dezembro, data do encerramento de seu contrato. O treinador, por outro lado, garantiu que, mesmo com pressão de conselheiros e de torcedores, não irá jogar a toalha. ?Vou fazer meu trabalho até o fim do contrato, mas, se a outra parte não tiver o mesmo compromisso, paciência.? Deixou claro que, em sua opinião, uma demissão neste momento seria injusta. Afinal, não é capaz de fazer milagre com o elenco que tem nas mãos atualmente. ?Infelizmente, o futebol é desse jeito, mas não teria de ser assim.? E, apesar da má fase da equipe, fez questão de falar que ainda vai dar alguma alegria ao torcedor até o fim do ano. ?Tenho certeza de que vamos conseguir alguma coisa, ou a vaga na Libertadores ou o título da Copa Sul-Americana.? A partida de quinta-feira, diante do Guarani, no Morumbi, será decisiva para seu futuro no clube. Se o time for derrotado ou empatar jogando mal, Rojas dificilmente resistirá no cargo. Embora os dirigentes não comentem abertamente, já buscam uma solução para o caso. Há um grupo que gostaria de ver Cilinho como técnico do profissional. Ele, porém, não dá nenhum sinal de que aceitaria o convite. Não pretende mais trabalhar com ?medalhões?. Outros nomes, como os de Casagrande e Raí aparecem com alguma possibilidade de substituí-lo. O chileno, no entanto, se diz bastante confiante num bom resultado diante do Guarani. Terá um reforço de peso, a volta de Luís Fabiano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.