Nilton Fukuda|Estadão
Nilton Fukuda|Estadão

Dirigente da Chapecoense diz que CBF pediu para escalar juniores na última rodada do Brasileiro

Segundo Ivan Tozzo, ideia de Del Nero é fazer uma homenagem para o clube

Daniel Batista e Gilberto Amendola, enviados especiais a Chapecó, O Estado de S. Paulo

30 de novembro de 2016 | 16h43

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pediu para a diretoria da Chapecoense não desistir do Campeonato Brasileiro e escalar um time com os atletas que não viajaram para a Colômbia e garotos das categorias de base para enfrentar o Atlético-MG, na última rodada do torneio, que será realizado no dia 11 de dezembro. 

"Conversei com o Del Nero (Marco Polo Del Nero, presidente da CBF) e ele pediu para que façamos um grande evento em Chapecó. Eu falei para ele que não tinha 11 jogadores para colocar em campo e ele me pediu para escalar os jogadores que não viajaram e também os garotos do time juniores", disse o presidente do clube, Ivan Tozzo, que era vice até o falecimento do presidente Sandro Pallaoro. 

A ideia da CBF é fazer uma homenagem para o clube. "Ele me disse que não importa o resultado. Tem de fazer uma grande festa porque todos nós (da Chapecoense) merecemos", contou Tozzo, que deverá ter uma conversa nos próximos dias com representantes da Conmebol para definir a situação da Copa Sul-Americana. 

A delegação viajava para a Colômbia, onde enfrentaria nesta quarta-feira, o Atlético Nacional, pela decisão da Copa Sul-Americana. A CBF, através de Del Nero, sugeriu que o título seja dividido. "Ele acredita que o ideal seria dividir o título. Eu acho bom e merecido, porque nosso time acabou e não estamos deixando de jogar. Nós não temos como jogar", ponderou o novo presidente do clube. 

O Atlético Nacional já se manifestou favorável a dar o título para a Chapecoense. "Isso seria ainda melhor, mas não é hora de pensar nisso", completou Tozzo, que decidiu não viajar com a delegação para a Colômbia, por não se sentir bem. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.