Dirigente da LDU critica Palmeiras pela venda de Barcos

A diretoria da LDU acusa o Palmeiras de cometer irregularidades na transferência do atacante Barcos para o Grêmio. Irritado com a postura palmeirense, Esteban Paz, diretor de futebol do time equatoriano criticou o negócio fechado na última sexta-feira e disse que vai na Fifa brigar pelos direitos de seu clube.

DANIEL BATISTA, Agência Estado

11 de fevereiro de 2013 | 20h30

"Pensei que o Palmeiras fosse uma instituição séria. Negociaram Barcos pisando no contrato com a LDU. Nos obrigam a procurar imediatamente um meio legal para defender a LDU. Vamos preparar tudo para apresentar as nossas reclamações para a Fifa. Não tenham dúvidas que vamos defender o clube e faremos serem respeitadas todas as cláusulas do contrato, que o Palmeiras quebrou unilateralmente", reclamou o dirigente, em sua página pessoal no Twitter.

Os equatorianos alegam que o Palmeiras deveria ter consultado eles antes de negociá-lo com o Grêmio e que existia um acordo para que a LDU tivesse o direito de igualar os valores caso chegasse uma proposta. Além disso, o clube paulista ainda deve uma última parcela da negociação do atacante e a LDU deveria ser avisada que a dívida seria repassada aos gremistas.

Enquanto isso, o Palmeiras continua sem saber ao certo o que vai receber na negociação. O fato é que o clube acertou até o momento o recebimento de R$ 4 milhões, mais a quitação da dívida que tinha com a LDU e com próprio Barcos, totalizando mais R$ 3 milhões. Além disso, o Grêmio cedeu, por empréstimo, o zagueiro Vilson.

O atacante Leandro e o volante Léo Gago estão próximos do acerto, também por empréstimo. Quanto ao meia Rondinelly, o Palmeiras ainda negocia. E o atacante Marcelo Moreno, outro cedido pelo Grêmio, já avisou que não quer trocar de clube. Assim, o jeito será tentar envolver outro jogador na negociação ou receber uma compensação financeira.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasBarcos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.