Dirigente da Mongólia é banido pela Fifa por receber propina

Dirigente da Mongólia é banido pela Fifa por receber propina

Presidente da federação mongol de futebol foi condenado por ter aceitado propina do ex-candidato a presidente da Fifa, Bin Hammam

Estadão Conteúdo

15 de outubro de 2014 | 11h45

A Fifa anunciou nesta quarta-feira a suspensão por cinco anos do presidente da Federação Mongol de Futebol. Ganbold Buyannemekh foi banido depois de ter aceitado propina do ex-candidato à presidência da Fifa e ex-homem forte do futebol asiático Mohammed bin Hammam.

De acordo com a principal entidade do futebol mundial, Buyannemekh "solicitou e recebeu pagamentos" de Bin Hammam em duas ocasiões. A primeira aconteceu em 2009, nas eleições para o Comitê Executivo da Fifa. Dois anos depois, a transação voltaria a acontecer, desta vez quando o catariano planejava concorrer à presidência da entidade.

Naquele ano, Bin Hammam desistiu da candidatura dias antes da eleição justamente por conta das acusações de que havia tentado comprar votos. No ano seguinte, o catariano, que sempre negou qualquer atitude ilícita, deixou todos os cargos relacionados ao futebol que ocupava e recebeu uma nova suspensão, desta vez pelo resto da vida, da Fifa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.