Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Dirigente diz que Klinsmann terá de ficar mais na Alemanha

O debate sobre a ausência do treinador da seleção alemã Jürgen Klinsmann, a 93 dias da estréia na Copa contra a Costa Rica, não pára de agitar o futebol alemão. Nesta quarta-feira, vários dirigentes ligados ao esporte se manifestaram sobre a necessidade de uma maior permanência do técnico em solo alemão. O bate-boca fez com que o presidente da Federação Alemã, Theo Zwanziger, pedisse para que o assunto fosse encerrado e todos se concentrassem no amistoso do dia 22, contra os Estados Unidos, o primeiro após o desastre frente a Itália, quando os alemães perderam por 4 a 1. Um dos oito vice-presidentes da Federação Alemã de Futebol, Hans-Georg Moldenhauer, afirmou que a renovação do contrato de Klinsmann como técnico da Alemanha ?vai depender muito da escolha de sua residência permanente?. ?Se ele (Klinsmann) estiver interessado numa solução para depois de 2006, então terá de considerar a possibilidade de viver na Alemanha?, revelou categoricamente Moldenhauer ao jornal alemão Sport Bild. Outro vice-presidente da DFB, Engelbert Nelle, citou os altos custos que a DFB tem com os vôos de primeira classe que o atual treinador faz para a Califórnia. Segundo Nelle, a DFB gasta cerca de 100 mil euros por ano com as passagens de Klinsmann. Como os dirigentes da DFB, o responsável pelo Turismo do governo alemão, Ernst Hinksen, também aproveitou a oportunidade para ?malhar? o treinador. ?Talvez o técnico da nossa seleção fique mais tempo conosco depois do Mundial do que tem ficado até agora?, comentou Hinksen, nesta quarta, na Feira Internacional de Turismo, em Berlim. Chega de briga - Para tentar acabar de uma vez por todas com a confusão, o presidente da DFB, Theo Zanziger, chamou a atenção de todos para o próximo jogo da Alemanha contra os EUA, em Dortmund, dia 22. ?Gostaria que esta discussão acabasse porque não há sentido?, disse Zwanziger. ?O que interessa agora é fazer todo o possível para que a seleção nacional apresente um bom futebol contra os EUA e volte a conquistar a confiança dos fãs?, concluiu o presidente. Zwanziger revelou também que ?não há um plano de emergência para substituir Klinsmann? e que o treinador ?tem a total confiança da DFB para a Copa?, enterrando especulações sobre uma possível troca de Klinsmann por Matthias Sammer, atual diretor de Esportes da DFB, ou Ottmar Hitzfeld, ex-técnico do Bayern de Munique e hoje comentarista de TV.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.