Dirigente do Corinthians não responsabiliza São Paulo pelo fracasso

Edu Gaspar lamenta eliminação, mas ressalta que o time não mereceu a classificação no Paulistão

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2014 | 12h11

SÃO PAULO - O choro de Romarinho e suas acusações de que o São Paulo entregou o jogo para o Ituano a fim de prejudicar o Corinthians não compactuam com o entendimento de membros da diretoria de futebol do clube de Parque São Jorge. O gerente de futebol do Corinthians, Edu Gaspar, disse para os jogadores ainda no vestiário do Estádio Tenente Carriço, em Penápolis, que a culpa pela eliminação da equipe das fases decisivas do Paulistão foi do elenco, do rendimento baixo em algumas rodadas e da falta de competência de ganhar do Panapolense, que já estava classificado.

Edu não usou literalmente essas palavras, mas se fez entender de que o São Paulo não pode ser responsabilizado pelo fracasso do Corinthians em campo. Deixou claro que empatar com o Penapolense não era o resultado esperado depois da semana de descanso. O time de Mano perdeu cinco partidas em 14 jogos neste Estadual e ainda empatou outras três, contando o deste domingo. Romarinho terá a atenção chamada. Mano participou da reunião.

"No calor do jogo, os atletas falam coisas que podem não ser corretas. O mesmo me refiro ao que o treinador comentou após o empate e derrota do São Paulo. 100% da culpa pela eliminação do Paulistão é do Corinthians. Não podemos culpar ninguém. Temos de ser conscientes e saber onde erramos. Não fizemos nesses três meses o trabalho que imaginávamos fazer", disse Edu, que teve nesta segunda-feira uma reunião com o presidente do clube, Mário Gobbi. 

Romarinho era o mais revoltado com a situação, mesmo sabendo que seu time não fez por merecer a classificação. O Corinthians poderia ganhar sobrevida no Paulistão caso vencesse o Penapolense fora de casa, o que não aconteceu. O empate sem gols mostrou toda a fragilidade do time de Mano Menezes, que também insinuou, mas sem tanta veemência como seu atacante, que Muricy poderia ter 'preparado seu time para perder'.

A acusação de Romarinho pode gerar reação jusdicial no Morumbi. O atacante disparou: "Todo mundo sabe que a derrota do São Paulo foi armada. A gente lamenta muito, mas fazer o quê? Eu tenho certeza de que foi isso o que acontecei, que o São Paulo entregou". A diretoria do São Paulo ainda não se manifestou sobre o episódio. Poderá fazer isso até o fim do dia até por ter se sentido ofendido. O conselho disciplinar e arbitral da Federação Paulista de Futebol (FPF), que organização o Paulistão, também poderá pedir explicações do jogador corintiano, e até de Mano Menezes.

Mesmo a despeito da festa da torcida do São Paulo após ver seu time sofrer gol do Ituano, os jogadores tricolores trataram de se defender após a derrota que ajudou a eliminar o rival Corinthians do Paulistão. De modo geral, os atletas colocaram a culpa na chuva que caiu no Morumbi durante a partida.  O jogo parou durante 7 minutos no primeiro tempo, quando o placar já resgistrava 1 a 0 para o time da cidade de Itu.

"Todo mundo viu que o time tentou, mas a chuva e a parada nos atrapalhou", disse Rodrigo Caio. "Nunca gosto de perder", afirmou Luis Fabiano. Muricy Ramalho foi um dos mais elegantes ao se referir à eliminaçpão do Corinthians e ao fato de ter sido acusado indiretamente de 'trabalhar para perder' a fim de prejudicar o rival. Pediu que os jogadores corintianos assistisem a partida do São Paulo com o Ituano para tirar suas conclusões.

Edu Gaspar sabe que seus jogadores não mereceram a classificação. O gerente de futebo, do Corinthians, por mais insatisfeito que esteja com o rendimento do time e o fato de ficar fora de uma decisão, não culpa o adversário do Morumbi por isso. Mano Menezes jogou também sua bronca em cima da fórmula de disputa do Paulistão. "É ruim". Ocorre que todos os clubes concordaram com ela na assembleia da FPF que aprovou o campeonato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.