Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ina Fassbender/Reuters
Ina Fassbender/Reuters

Dirigente do Dortmund prevê colapso da liga alemã se temporada não retornar

'Não existirá mais da maneira como a conhecemos', avalia diretor executivo do clube alemão

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2020 | 13h29

O diretor executivo do Borussia Dortmund, Hans-Joachim Watzke, alertou que, em sua visão, a Bundesliga, responsável por organizar o futebol na Alemanha, entrará em colapso financeiro se as partidas não forem retomadas nos próximos meses.

"Se não jogarmos nos próximos meses, a Bundesliga entrará em colapso, não existirá mais da maneira como a conhecemos", disse o dirigente do Borussia Dortmund em entrevista à emissora Sky.

Os dirigentes alemães planejam o retorno da disputa dos campeonatos da primeira e segunda divisão com 300 pessoas em cada evento, sem a presença de público, a partir de 9 de maio. A proposta foi apresentada na última semana em assembleia virtual da Liga Alemã de Futebol (DFL, sigla em alemão), com a participação de representantes das 36 equipes.

A Bundesliga é a primeira das grandes ligas europeias, todas suspensas desde meados de março em razão da pandemia do novo coronavírus, a apresentar um calendário para o reinício da competição, seguindo a diretriz da Uefa de concluir os campeonatos nacionais e continentais até agosto.

Watzke acredita que os clubes estão prontos para a retomada das partidas a partir de 9 de maio "porque vemos uma responsabilidade dos nossos funcionários". O dirigente do Dortmund diz entender a frustração dos torcedores em razão dos jogos com portões fechados, mas salientou que o que está em jogo é a "salvação do futebol". "É tudo sobre salvar o futebol. Não estamos falando de assuntos pequenos".

O ex-presidente do Bayern de Munique, Uli Hoeness, endossou o posicionamento de Watzke sobre os duelos sem torcedores na Alemanha. "Em princípio, os jogos a portas fechadas me parecem questionáveis, mas, tendo em vista a situação financeira de alguns clubes, são de vital importância e não há alternativa a eles", afirmou em declaração à revista Kicker.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.